domingo, 21 de dezembro de 2008

Intervenção urbana discute isolamento das pessoas com aids
Foto: Magda Fernanda

Conquistas importantes da resposta brasileira à epidemia de HIV e aids, como a garantia de tratamento e o aumento da sobrevida dos pacientes, não foram suficientes para acabar com o preconceito e o estigma que cercam a doença. Dados parciais de pesquisa de comportamento realizada este ano pelo Programa Nacional de DST e Aids do Ministério da Saúde mostram que essa exclusão ainda persiste em situações corriqueiras. Entre 8 mil entrevistados de todo o país:

13% acreditam que uma professora portadora do vírus da aids não pode dar aulas em qualquer escola

22,5% afirmam que não se pode comprar legumes e verduras em um local onde trabalha um portador do HIV

19% acreditam que, se um membro de uma família ficasse doente de aids, essa pessoa não deveria ser cuidada na casa da família

Para discutir essa realidade, o Programa Nacional de DST e Aids preparou uma intervenção urbana – “O preconceito isola” – para o Dia Mundial de Luta contra a Aids (1º de dezembro), a ser montada na Praça dos Três Poderes. Ao longo de todo o dia, um jovem ficará dentro de uma bolha transparente, impedido de tocar quem estiver no ambiente externo (veja imagem abaixo). O objetivo é levantar o debate sobre a exclusão vivida por quem tem o HIV ou sofre outros tipos de preconceito.

Na base da bolha haverá uma frase do jornalista e sociólogo Herbert Daniel, que morreu no ano de 1992 em decorrência da aids. “Há uma coisa dentro de mim, contagiosa e mortal, perigosíssima, chamada vida, lateja como desafio”.

O grupo Teatro Oportuno, que atua com arte e educação, também participa da intervenção urbana, interagindo com o público que passar pelo local. Foram convidados estudantes de escolas públicas do Distrito Federal e representantes de organizações que trabalham com prevenção e enfrentamento da doença. A interação é aberta a todos os interessados e será transmitida ao vivo das 9h às 18h pelo site www.aids.gov.br/mediacenter.

“O estigma relacionado à doença afasta as pessoas tanto do diagnóstico como do tratamento, por isso impactam diretamente na sua qualidade de vida”, destaca a diretora do Programa Nacional de DST e Aids, Mariângela Simão. Depois de anos convivendo com a epidemia, diz ela, é preciso que a sociedade não apenas respeite e aceite essas pessoas, mas que as acolha.

Campanha do Dia Mundial de Luta Contra a Aids

Homens acima dos 50 anos são tema da campanha do Ministério da Saúde para o Dia Mundial de Luta contra a Aids deste ano. Com o slogan “Sexo não tem idade. Proteção também não”, serão abordados assuntos ligados à sexualidade, como o uso do preservativo e dicas para melhorar a relação sexual depois dos 50.

O filme com 30 segundos de duração se passa no “Clube dos Enta”, formado apenas por homens acima dos 50 anos que têm orgulho da idade e experiência. Os sócios rimam palavras terminadas com “enta”, relacionadas ao cotidiano da faixa etária. E dizem que, para o sexo, nunca se aposentam.

Nas versões com 30 e 60 segundos, o clube ganha até hino cantado pelos cinqüentões, sessentões e setentões. Um dos trechos da musica diz: “Enta, enta, eeenta, a camisinha é a nossa ferramenta. Enta, enta, eeenta, as mulheres nos apóiam e a coisa esquenta”.

Além do vídeo e do spot de rádio, foram produzidos cartazes, “folders” e mobiliário urbano (out-door e outras placas). Pela primeira vez, a arte do material gráfico foi encaminhada para coordenações de DST e aids estaduais, que ficaram responsáveis pela impressão das peças. A iniciativa faz parte da descentralização das ações, por meio do repasse específico de verba para ações de comunicação.

Internet – No site do Programa Nacional de DST e Aids (PN-DST/AIDS), haverá uma página específica – www.aids.gov.br/diamundial – para notícias relacionadas aos eventos do Dia Mundial promovidos por estados, municípios e organizações da sociedade civil. Essas ações incluem a divulgação de campanhas locais e a promoção do uso do preservativo.

Como acontece desde 2005, o tema escolhido para o Dia Mundial tem continuidade nas ações do ano seguinte. Assim, a campanha do Ministério da Saúde para o Carnaval de 2009 voltará a enfocar pessoas acima dos 50 anos, mas com ênfase nas mulheres.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Quebrando as cadeias

Marina Silva
De Brasília (DF)

Segunda-feira, dia 15 de outubro, foi suspensa a audiência pública do Senado que discutiria o sistema de cotas para ingresso nas universidades federais, estaduais e nas escolas técnicas federais de nível médio. A audiência faria parte dos procedimentos para chegar à votação do projeto de lei 180, de 2008, que é uma síntese de várias propostas que tratam do assunto. Mas não aconteceu, e os palestrantes convidados, contra e a favor das cotas, perderam seu tempo. O motivo para o cancelamento foi uma alegada "falta de quorum". Um rigor inusitado, raro mesmo, pois eu já cheguei a ser a única senadora presente a uma audiência pública e ela se realizou normalmente.

Talvez esse acontecimento expresse, infelizmente, a dificuldade que muitos ainda têm - e no parlamento não seria diferente - de lidar com a existência de cotas. E enquanto se sucedem as protelações, segue a vida de milhares de jovens para quem certos direitos básicos, como a educação de qualidade, nunca passaram à porta.

Voltando da frustrada reunião para meu gabinete, lembrei de uma jovem índia, Antonia Gabriela Apurinã, que trabalha na lojinha de venda de artesanato existente no aeroporto de Rio Branco, no Acre. Antes de embarcar, sempre passo por lá para namorar as peças lindas e os colares expostos. Numa dessas ocasiões, puxei assunto com Antonia, quando então ela me contou ser aluna de Biologia da Universidade Federal do Acre, pelo sistema de cotas, as "nossas cotas", como ela disse. Tem 19 anos, é de Boca do Acre e muito orgulhosa de estar fazendo um curso que será importante para seu povo. Está feliz na UFAC e com elevada auto-estima porque se sente acolhida no meio acadêmico e muito estimulada a obter bons resultados. Fiquei emocionada de ver uma pessoa inteligente e capaz que, sem as cotas, jamais teria tido essa oportunidade.

As cotas beneficiam Antonia e o povo apurinã, mas beneficiam muito mais o Brasil porque, por meio dessas histórias de vida, vamos nos aproximando de um país melhor, mais justo, mais solidário, menos preconceituoso e menos subjugado por barreiras que só nos diminuem enquanto nação e tornam a vida mais áspera, menos bonita, mais mesquinha.

As cotas não tiram nada de ninguém, acrescentam valores à sociedade. São um processo transitório para corrigir desigualdades históricas que criaram uma cultura de discriminação, visível no filtro que praticamente impede o acesso às boas universidades da maioria dos jovens egressos de escolas públicas.

Há uma série de dificuldades para estabelecer o recorte mais adequado ao sistema. Não dá é para retroceder a um ponto anterior à garantia de cotas para negros, pardos e indígenas, que são as populações mais apartadas do acesso ao conhecimento e da estrutura de profissionalização que a educação especializada e de qualidade oferece. Importante é não perder de vista que as cotas não devem ser perenizadas. Seu papel é apenas criar um tempo social e cultural propício para o país acertar o passo com o futuro, de modo que todos possam concorrer em pé de igualdade.

Mas nem todas as dificuldades justificam bloquear o processo de superação histórica que começa com essa abertura de porta para quem nunca teve a chance de ver o lado de lá do muro das intolerâncias. Mesmo quem, de boa fé, discorda das cotas pelos mais variados motivos, deve convir que quanto mais nos esforçarmos para realinhar estruturalmente as condições de combate à desigualdade - a exemplo do nivelamento de qualidade educacional e de inclusão social desde a base - mais cedo estaremos construindo a saída do sistema.

O juiz federal carioca William Douglas escreveu um artigo intitulado "Por que mudei de opinião", no qual relata sua experiência de professor voluntário no cursinho pré-vestibular da Educafro, para jovens negros e carentes, e como ela o levou a rever suas posições a respeito das cotas: "...no início era contra as cotas para negros, defendendo - com boas razões, eu creio - que seria mais razoável e menos complicado reservá-las apenas para os oriundos de escolas públicas. Escrevo hoje para dizer que não penso mais assim. As cotas para negros também devem existir. E digo mais: a urgência de sua consolidação e aperfeiçoamento é extraordinária".

Ele cita o jurista Roberto Lyra, um dos autores do Código Penal de 1940, que recomendou aos colegas de Ministério Público que "antes de se pedir a prisão de alguém deveria se passar um dia na cadeia". Seu argumento para mudar de opinião em relação às cotas vem do fato de ter trocado de lado, ou ter ido "passar um dia na cadeia", convivendo com os estudantes pobres e negros do cursinho e nessa convivência ir descobrindo "que ser pobre é um problema, ser pobre e negro é um problema maior ainda".

Douglas então compara a vida da própria filha, loura e de olhos claros, que tem tudo e "estuda há três anos num colégio onde não há um aluno negro sequer", com a vida de "sua similar negra", a filha da empregada, que não tem nada e "a escola é sem professores sem carteiras, com banheiro quebrado". Diz ele: "não acho justo nem honesto que lá na frente, daqui a uma década de desigualdade, ambas sejam exigidas da mesma forma. Eu direi para minha filha que a sua similar mais pobre deve ter alguma contrapartida para entrar na faculdade."

Se alguém discorda das cotas, conclui, "me perdoe, mas não deve fazê-lo olhando os livros e teses, ou seus temores. Livros, teses, doutrinas e leis servem a qualquer coisa, até ao nazismo. Temores apenas toldam a visão serena. Para quem é contra, com respeito, recomendo um dia "na cadeia". Um dia de palestra para quatro mil pobres, brancos e negros, onde se vê a esperança tomar forma e precisar de ajuda. Convido todos que são contra as cotas a passar conosco, brancos e negros, uma tarde num cursinho pré-vestibular para quem não tem pão, passagem, escola, psicólogo, cursinho de inglês, ballet nem coisa parecída, inclusive professores de todas as matérias no ensino médio."

Espero que o Congresso Nacional se coloque no lugar de quem padece da pior forma de "cadeia" que é o exílio de si mesmo, de seus talentos e capacidade, de sua autonomia e realização, por uma estrutura social que lhe nega o básico: oportunidade e o justo incentivo.

Marina Silva é professora secundária de História, senadora pelo PT do Acre e ex-ministra do Meio Ambiente.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Após dois anos fechada, Biblioteca Nacional de Brasília é inaugurada com 50 mil livros
Morillo Carvalho
Repórter da Agência Brasil

Valter Campanato/ABr


Brasília - O arquiteto Oscar Niemeyer, responsável pelo projeto, durante cerimônia de inauguração da Biblioteca Nacional de Brasília
Brasília - No aniversário de 99 anos de Oscar Niemeyer, há exatos dois anos, o prédio da Biblioteca Nacional de Brasília foi inaugurado, mas a biblioteca não começou a funcionar. De lá para cá, polêmicas por causa da incidência do sol no edifício, que prejudicaria o acervo, impediram que ela fosse aberta de fato. No início da noite de hoje (11), as modernas instalações foram entregues, com acervo de 50 mil livros e a expectativa da visita de três mil a cinco mil pessoas por dia.

“Nós colocamos uma película que protege até 92% da luz e das irradiações solares de infravermelho. Ou seja, os livros estão protegidos e os usuários também. Esse trabalho foi feito em todas as paredes de vidro da biblioteca”, assegurou o diretor da instituição, Antônio Miranda.

O processo levou esses dois anos porque, a princípio, o arquiteto da obra, Oscar Niemeyer, havia vetado a película nos vidros da biblioteca, porque interferiria na proposta inicial do projeto. Contudo, segundo Antônio Miranda, ela foi autorizada. O edifício tem cinco andares e 10 mil metros quadrados. O acervo foi doado por outras instituições e pessoas físicas.

“Marli de Oliveira, a esposa [do escritor] João Cabral de Melo Neto, faleceu, e a família nos honrou doando oito mil livros da coleção pessoal dela, com autógrafos de grandes escritores brasileiros, como Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade, que eram amigos dela”, contou Miranda.

Além dos 50 mil livros, o Ministério da Cultura fez um repasse de R$ 2,5 milhões, que deve ser publicado no Diário Oficial da União nos próximos dias. De acordo com o diretor da Biblioteca, o dinheiro servirá para a compra de mais de 150 mil exemplares.

Oscar Niemeyer, que completa 101 anos hoje, esteve presente ao lançamento da revista “Nosso Caminho”, que aconteceu em seguida à inauguração, mas falou pouco. Após o discurso do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, disse que “é importante trabalharmos juntos para construir um mundo mais justo e melhor”.

O coordenador nacional de Livro de Leitura, Jéferson Assumção, destacou que a biblioteca “está em um lugar simbólico, na capital do país, na Esplanada dos Ministérios. É muito importante colocar o livro com destaque no imaginário coletivo do brasileiro”, disse Assumção.

Além do lugar ser de destaque por sua simbologia – estar próxima às principais sedes dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário –, ele também fica próximo ao principal ponto de trânsito de pessoas do Distrito Federal: a Rodoviária de Brasília.

“Cerca de 400 mil pessoas passam diariamente pela rodoviária, vindos de muitas partes do Distrito Federal. Isso é muito importante, então é colocar o livro bem próximo de onde passam as pessoas. Isso é a grande qualidade dessa biblioteca”, completou Jéferson Assumção.

Para o ministro da Cultura, Juca Ferreira,“biblioteca é importante em qualquer lugar do mundo e nós estamos fazendo um esforço no Brasil de atingir essa meta em meados do ano que vem, e essa biblioteca é fundamental, porque vai prestar um serviço a uma parcela da população que tem dificuldade de ter acesso à cultura”.
Discussão sobre diversidade cultural se torna retórica sem inclusão de negros e índios, diz diretor

Kelly Oliveira
Repórter da Agência Brasil


Roosewelt Pinheiro/Abr



Brasília - Durante o Seminário Internacional sobre Diversidade Cultural, promovido pelo Ministério da Cultura, Antônio Pompêo, diretor de Promoção, Estudos, Pesquisas e Divulgação da Cultura Afro-Brasileira da Fundação Palmares, ligada ao Ministério da Cultura
Brasília - Embora afirme que a participação dos negros nas decisões que envolvem cultura esteja aumentando na América Latina, o diretor de Promoção, Pesquisa e Divulgação da Cultura Afrobrasileira da Fundação Palmares, Antônio Pompêo, diz que sem a inclusão de negros e índios nesse processo, a discussão sobre diversidade cultural se torna retórica.

Pompêo citou países latino-americanos que têm ministros negros, caso da Colômbia, com a ministra Paula Moreno Zapata, e do Equador, com Antonio Preciado, além do ministro brasileiro, Gilberto Gil.

Segundo ele, também é necessário discutir mais sobre a cultura dos afrodescendentes da América Latina, o que ele chama de “afrolatinidade”. “O grande foco é trabalhar essa afrolatinidade, ter essa interlocução com os negros afrolatinos”.

A avaliação foi feita hoje (29), último dia do Seminário Internacional sobre a Diversidade Cultural. Para Pompêo, o seminário foi uma oportunidade de iniciar essa discussão.

"A gente tem muito pouco conhecimento do que acontece na América Latina. Essa é uma oportunidade de saber de que forma os irmãos latinos estão trabalhando esse conceito de diversidade cultural”.




Cria e Animar
ESPAÇO CULTURAL


APRESENTA

1ª Mostra Audiovisual


Divulgando obras audiovisuais dos realizadores da cidade do Gama. Apresentado os curta metragem de Renan Santana , Walter Sarça, Pietro Oliveira, Marcos Alexandre e Luian Valadão.

Entrada Franca.
Dia: 20/12
Horas: 20:00 horas.
Classificação livre

LOCAL - Quadra 40 Setor Central-Gama
MAIORES INFORMAÇÕES: 3556-6605/9618-0102

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Mudanças Climáticas‏
Longe dos holofotes da mídia, um debate crucial está acontecendo na Reunião da ONU sobre Mudanças Climáticas na Polônia e no Encontro da União Européia em Bruxelas e um acordo climático global depende do resultado das negociações desta semana!

Os governantes da Alemanha, Itália e Polônia estão usando a crise econômica como desculpa para enfraquecer o seu compromisso com o clima, cedendo ao lobby das grandes indústrias poluidoras. Se os líderes destes três países não mudarem seu posicionamento não haverá um acordo entre os países europeus, e conseqüentemente todo o processo global estará em risco. Precisamos erguer nossas vozes e mostrar que as proteções ambientais podem favorecer, e não competir, com o desenvolvimento.

Os membros da Avaaz conseguiram agendar reuniões com os negociadores em Bruxelas e Polônia. Portanto estaremos entregando a nossa petição global diretamente para os representantes de países chave.

Para termos um impacto precisamos de um grande número de assinaturas.

Ano passado os EUA, Canadá e Japão foram os negociadores mais irresponsáveis nos encontros climáticos internacionais e nós tivemos um impacto quando mais de 300.000 apoiadores da Avaaz se manifestaram. Mas agora o Bush, Fukuda e Harper, já saíram ou estão saindo do poder, e o peso da decisão caiu sobre a Europa. Para conseguirmos um acordo climático satisfatório precisamos que a Europa assuma os seguintes compromissos: reduzir em 30% as emissões de carbono até 2020 se um acordo climático for alcançado, leiloar 100% das permissões dentro do seu Sistema de Comércio de Emissões, e instalar mecanismos rígidos para garantir que as metas de redução de emissão sejam cumpridas.

Estamos presentes na Polônia e em Bruxelas de várias formas: nos reunimos com as delegações de vários países, encomendamos pesquisas de opinião, organizamos uma manifestação na Varsóvia, apresentamos o "Prêmio Fóssil" para os piores países das negociações e enviamos notas diárias para a imprensa. Porém, a nossa arma mais forte é a petição global com 150.000 assinaturas. Com ela podemos mostrar para as lideranças presentes que o mundo exige deles um compromisso forte com o clima.

Vamos entregar a petição ainda esta semana e precisaremos de mais que 150.000 assinaturas:
Para todos nós que nos preocupamos com as mudanças climáticas, esta é a hora de demandar uma liderança séria.
Até o Ano Novo a Europa já terá uma política climática estabelecida, e levará com ela a esperança, ou decepção, do acordo climático por vir.O compromisso com as mudanças climáticas depende de negociações que estão acontecendo agora mesmo.

Chegou a hora de aumentar a pressão sobre as lideranças européias!

Levaremos o seu nome para Polônia e Bruxelas

Assine a petição
http://www.avaaz.org/po/europe_climate_crunch_time/?cl=156614680&am...Leia mais sobre o assunto:
Semana decisiva para a conferência da ONU sobre a mudança climática:
http://http//g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL914225-5602,00-SEMANA+DECI...

Nova conferência do clima é crucial para obtenção de acordo em 2009:

VAMOS FAZER A NOSSA PARTE

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008


Lançamento do Projeto
UrbeSonora
De experiência sonora a musica de pista

com:
Aslamcabral (PE)
Conrado Silva (DF)
Eduardo Kolody (GO)
Exavier [SUAPHAMUSSEN] (GO)
Emir (SC)
Gabriel Gardenal (DF)
Krixnah Torrent (DF)
Phil Jone - Synaesmedia (UK)
Quizzik (DF)
Victor Valentin (DF)

O UrbeSonora é para seu Ouvido Pensante - Um espaço para experiências sonoras, áudioarte e música experimental. Acolhe e apresenta desde música eletroacústica, paisagens e arquiteturas sonoras, experiências acústicas e espaciais com o som, vertentes mais melódicas, miscigenadas e inclassificáveis até música dançante voltada para as pistas mas sem cair no comum.

Opus Nº 1- Experimental Total
2º Ato - Melódicos e Miscigenados
3º Movimento - Balance

Sábado, 13/12/2008
A partir das 19h
Museu Nacional da República - Brasília

ENTRADA FRANCA

Realização: Torrent Efex

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Vem ai a Feira do Troca do Olhos D'Água.
No primeiro domingo de Dezembro como já é tradição a Feira do Troca de Olhas D'Água em mais edição vai acontecer, mas a festa começa na quinta feira venha fazer um programa diferente, tem varias atrações culturais muita gente bonita e o que é melhor você troca de tudo por artesanato antiguidades etc. é só negociar!
71º Feira de Trocas
Esta Feira Não tem preço 05 a 07 de Dezembro

Secretaria de Cultura, Turismo, Meio Ambiente e Sub Prefeitura de Olhos D'Água "pedimos desculpa pelo cartaz não ser o atual, pois a secretaria de cultura não nos enviou o cartaz da feira."
A proveite e conheça o melhor do artesanto de Olhos D'Águaa




Veja amais no Sitecurupia

domingo, 30 de novembro de 2008

Recital de Piano e Orquestra eletrônica













"Viagem ao desconhecido Mundo Invisível"
11:11 – A Abertura dos Portais
Músicas e imagens onde a energia se propaga
entre platéia e músico
pianista e compositor
II III Maestro Cazzamatta II III
13 de dezembro (sábado) às 16 h
local: TV PAX
Av. Braz Leme, 1035 Santana
S.Paulo-SP
Entrada franca
PARA AS ATIVIDADES COM ENTRADA FRANCA
Colabore com 1 kg.alimento não perecível, produtos de limpeza ou roupa usada
Sejam muito bem-vindos, há lugares para todos vocês!
Um Recital diferente, em que as músicas executadas ao vivo pelo Maestro são acompanhadas de clipes projetados em telão que abordam assuntos relacionados a fatos que interessam muito a você:
Almas-Gêmeas e a Meditação para o Verdadeiro Amor
Constelação de Órion
Pirâmides do Egito
Viagens astrais
Física quântica
Mistérios do DNA
Planetas
Constelações
Estrelas
Universos
Chakras, Mandalas,
e muito mais
Uma viagem astral inesquecível durante o Show
Já estão a venda os cds com as músicas do Recital
"R$ 25,00 com frete incluso"
Pedidos por e-mail - maestrogc@gmail.com
informações:
(11) 4029-3095 // (11) 2236-0244
Release:
Este Recital apresentado pelo pianista e compositor Maestro Cazzamatta está intitulado – "Viagem ao desconhecido Mundo Invisível". Uma apresentação maravilhosa com músicas interpretadas em sintetizadores, sendo na maioria para piano e orquestra, alem das imagens projetadas durante toda a apresentação.
A intenção é fazer com que todos da platéia passem a realizar uma viagem imaginária pelo Universo através de sons e efeitos, alem de pequenos textos e clipes montados para cada ponto da viagem. Para isso é feito o pedido para não aplaudir após cada música executada, pois a intenção é realmente fazer com que todos participem da viagem do começo ao fim, em total relaxamento.
A viagem começa saindo do Planeta Terra, passando pela Constelação de Órion em ligação com as Pirâmides do Egito, entrando no núcleo de cada célula do próprio corpo, desvendando os mistérios que correm em nossos DNAs. Mandalas, Chakras, Corpos etéricos, Astrais, Mentais e Espirituais. Viagens por Galáxias, Estrelas, Planetas, e tudo mais, passando pelo Portal dimensional 11:11, alem de conhecer nossa Alma-Gemea e começar a desvendar as Ordens Secretas do nosso Corpo Astral.

http://www.sitecurupira.com.br/

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Projeto De Olho na Leitura

LEITURÉGUA – Literatura da Esperança.


O que é o projeto?
È um projeto voltado para a formação do hábito de leitura das crianças da comunidade e a valorização da cultura local, dos costumes tradicionais bem como dos saberes popular.

Todo mês saem para Praça Santo Antonio uma carroça com uma choupana decorada e a mala do livro dentro. Na praça reúnem-se alunos, jovens e outras pessoas da comunidade e lá são realizadas dramatizações, com moda de viola, contadores de histórias, catira, palestras... Sempre a carroça sai ornamentada com um tema seja de meio ambiente, ou de datas comemorativas ou ainda outros temas sugeridos pelo grupo.
Os livros são emprestados a cada paradão da leitura e devolvidos no próximo.
Temos a perspectiva de sair a cada quinze dias.
Durante os paradões as crianças apresentam cenas, contam estórias, poesias se expressam artisticamente a partir de um texto.
No final é distribuído um incentivo na forma de brindes.
Parcerias
A Leiturégua depende de doações de pessoas da comunidade, do incentivo da Mala do Livro, do Restaurante Olhos da Lua, do Bonsai Café, do Supermercado Olhos DÁgua , a Tecelagem Olhos d´`Água e o Bar Pantera Negra e a Sub prefeitura de Olhos DÁgua.
Leitores
São as crianças da educação infantil da Escola Municipal Geminiano Ferreira de Queirós e Padre Antonio Marcigalha.Uma média de 150 crianças que estão para serem cadastradas.












Contatos: E mail:Com hífem. nil-va-belinha@hotmail.com
Fones: Escola: manhã e noite – (62) 33 22 62 62
(61) 91 00 72 40 ( Cícero)

Veja mais no www.sitecurupira.com.br

Projeto Leitura Para cidadania

A editora Paulus com o objetivo de consolidar o hábito da leitura como fator de desenvolvimento pessoal e social da comunidade, especialmente de crianças e jovens e contribuir para a valorização da escola pública como centro de desenvolvimento humano e acesso a bens socioculturais duráveis.A Paulus criou o Leitura Para Cidadania um projeto que através da capacitação de professores e demais membros da comunidade escolar, realizar o Projeto de Vida de crianças e jovens, a partir do sucesso escolar.
1° Livro Vivo Brasília Data: 02/12/2008Horário: de 18 às 18hLocal: Ginásio de Esportes de Santa MariaAvenida Alagados S/N, Santa Maria – DFMaiores
InformaçõesFone: 61-3225-9847




Beirão em: RECITAL "COISAS DA MINHA MALA"




De volta ao Brasil depois de seis meses de tour pela Europa, Beirão faz no dia 12 de dezembro, show recital na Oficina Geppetto. Além de novas composições que faz parte do novo CD Eu Nunca Esperei Nada de Você, o show contará também com clássicos da música brasileira, contação de histórias dialogando diretamente com compositores como João do Vale, Zé do Norte, Gordurinha, Zé Dantas, José Marcolino, Humberto Teixeira, dentre outros, levando ao público o universo da literatura de cordel e dos cantadores nordestinos.
Beirão considera-se um cearense cosmopolita. Acredita que a cultura popular vive uma fase de renascimento: "a cada ano que passa as festas populares como São João ganham novos espaços e, o Brasil de norte a sul, se acende em festa". Assim, não deixando por menos reuni em seu repertório, músicas populares do Nordeste.
Sem abandonar as influências nordestinas como Jackson do Pandeiro, Luís Gonzaga, Trio Nordestino entre outros, e tendo incorporado ao seu estilo, influências da MPB, do Rock brasileiro e da música universal, o público encontrará uma sonoridade envolvente e bem humorada, marca registrada de seus shows.
Atualmente divulga o Projeto Forró Pé-de-Serra Brasil e em parceria com o Pontão de Cultura República do Cerrado, desenvolve projeto na área musical. Em sua estada em Goiânia, lançará seu cordel " O Trágico fim de Benjamin e Lampião".

-- Beirão(61) 9682-2284 / (62) 9988-2797Produtora: Luana Otto (62) 9641-2833Pontão de Cultura República do Cerrado(62) 3095-5257

http://www.sitecurupira.com.br/

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

1º Festival da Cultura Popular de Imperatriz

“Saberes e Fazeres do Povo”
05 e 06 de Dezembro/08 – Centro de Ensino Médio Graça Aranha


Estamos dando largada para a Festa da Cultura Popular em Imperatriz e ficará muito mais bonita se você puder vir festejar com a gente. Enviamos em anexo mais informações e te esperamos ao som do lindô e da mangaba de D.Francisca, o forró de Mestre Felipão, os tambores do terreiro do Pai José, a lindeza de seu Escurinho do Samba, a cerâmica de Seu Constâncio, o sax poético de Seu Neném do Grajaú, os aboios de Seu Marcelino, o coco babaçu de Dona Graça, o entrançado de Seu Zé Ferreira, as redes de pesca de Seu Otacílio, as plantas que curam da Dona Ramalho e mais uma ruma de gente que você quiser chamar. Viva a Cultura do Povo Brasileiro!
ArTeIrOs Da CaSa Alexandre Almeida Ironilson Vasconcelos Lilia Diniz Marcelo CardosoTon Neves Xico Cruz
Imperatiz-MA é uma cidade ainda por ser desbravada, potencializada e conhecida por sua força cultural. Tem um acervo visual e de personagens ainda por serem explorados no campo artístico. A cidade tem uma população constituída por pessoas advindas do Brasil inteiro, principalmente dos interiores do nordeste. Economicamente é uma cidade importantíssima para o maranhão, pois além de contar com um grande setor agropecuarista é também “portal da Amazônia”, sendo cortada ao meio por uma das mais importantes rodovias do país.
Por essas e outras características a cidade é uma referência importante na região tocantina e abriga um acervo de valores culturais materiais e imateriais inimagináveis.
Mestres da cultura popular no anonimato, como por exemplo, Seu Constâncio, mestre da cerâmica; D.Francisca do Lindô – que resiste ao tempo ensinando crianças e adolescentes a dança do lindô e da mangaba; Mestre Felipão – sanfoneiro que reúne ao seu redor quase duas dezenas de outros forrozeiros tradicionais, Escurinho do Samba – compositor de samba de raíz, seu Marcelino vaqueiro aboiador, além de grupos para-folclóricos e outros mestres e mestras guardiões da cultura popular maranhense que habitam a miscigenada Imperatriz.

domingo, 16 de novembro de 2008

Balada feroz















Canta uma esperança desatinada para que enfureçam silenciosamente os cadáveres dos afogados Canta para que grasne sarcasticamente o corvo que tens pousado [sobre tua omoplata atlética Canta como um louco enquanto teus pés vão penetrando a massa sequiosa de lesmas Canta! para esse formoso pássaro azul que ainda uma vez sujaria sobre o teu êxtase. Arranca do mais fundo a tua pureza e lança-a sobre o corpo felpudo [das aranhas Ri dos touros selvagens carregando nos chifres virgens nuas para o [estupro nas montanhas Pula sobre o leito cru dos sádicos, dos histéricos, dos masturbados e [dança! Dança para a lua que está escorrendo lentamente pelo ventre das [menstruadas. Lança teu poema inocente sobre o rio venéreo engolindo as cidades Sobre os casebres onde os escorpiões se matam à visão dos amores [miseráveis Deita a tua alma sobre a podridão das latrinas e das fossas Por onde passou a miséria da condição dos escravos e dos gênios. Dança, ó desvairado! Dança pelos campos aos rinchos dolorosos das [éguas parindo Mergulha a algidez deste lago onde os nenúfares apodrecem e onde a água floresce em miasmas Fende o fundo viscoso e espreme com tuas fortes mãos a carne flácida [das medusas E com teu sorriso inexcedível surge como um deus amarelo da imunda [pomada. Amarra-te aos pés das garças e solta-as para que te levem E quando a decomposição dos campos de guerra te ferir as narinas, [lança-te sobre a cidade mortuária Cava a terra por entre as tumefações e se encontrares um velho [canhão soterrado, volta E vem atirar sobre as borboletas cintilando cores que comem as fezes [verdes das estradas. Salta como um fauno puro ou como um sapo de ouro por entre os raios [do sol frenético Faz rugir com o teu calão o eco dos vales e das montanhas Mija sobre o lugar dos mendigos nas escadarias sórdidas dos templos E escarra sobre todos os que se proclamarem miseráveis. Canta! canta demais! Nada há como o amor para matar a vida Amor que é bem o amor da inocência primeira! Canta! — o coração da donzela ficará queimando eternamente a cinza [morta Para o horror dos monges, dos cortesãos, das prostitutas e dos [pederastas. Transforma-te por um segundo num mosquito gigante e passeias de [noite sobre as grandes cidades Espalhando o terror por onde quer que pousem tuas antenas [impalpáveis. Suga aos cínicos o cinismo, aos covardes o medo, aos avaros o ouro E para que apodreçam como porcos, injeta-os de pureza! E com todo esse pus, faz um poema puro E deixa-o ir, armado cavaleiro, pela vida E ri e canta dos que pasmados o abrigarem E dos que por medo dele te derem em troca a mulher e o pão. Canta! canta, porque cantar é a missão do poeta E dança, porque dançar é o destino da pureza Faz para os cemitérios e para os lares o teu grande gesto obsceno Carne morta ou carne viva — toma! Agora falo eu que sou um!Vinicius de Moraes-- uma cuia de bêjosmaria lilia silva diniz 99-8116-9197 3525-2616










lilia.diniz@hotmail.com -


MSNFESTA DO COCO BABAÇU E OUTROS TRIERO

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Goiano é escolhido brasileiro imortal

O Popular


Baunilha mole, que será batizada como Vanilla bertrani Almiro Marcos Do Rio de Janeiro
O historiador goiano Paulo Bertran, morto em outubro de 2005, é um dos seis ganhadores do Prêmio Brasileiro Imortal, criado pela companhia siderúrgica Vale, antiga Vale do Rio Doce. Ele concorreu diretamente com outros dois nomes e foi escolhido por votação pela internet e vai dar nome a uma espécie nova de orquídea descoberta na Reserva Natural Vale, em Linhares (ES). A nova planta, mais conhecida como baunilha mole, por enquanto é chamada da Vanilla sp. nov. (de espécie nova) e deve ser batizada de Vanilla bertrani (o nome ainda será definido oficialmente) em homenagem ao goiano. Além de Paulo Bertran, escolhido pela região Centro-Oeste, os outros homenageados foram José Hamilton Ribeiro (nacional), Tom Jobim (Sudeste), Raquel de Queiroz (Nordeste), Zeneide Lima (Norte) e Miguel Krigsner (Sul). Todos eles têm trabalhos relacionados com o meio ambiente. Outra homenageada foi a ex-primeira-dama Ruth Cardoso, morta recentemente. Concorrendo com o ambientalista Ezechias Paulo Heringer (criador do Parque de Águas Emendadas, em Brasília) e com o escritor Manoel de Barros (mais conhecido como o Poeta do Pantantal), o goiano recebeu a segunda maior votação proporcional do País, com 70% das indicações dos internautas. "Antes disso eles já tinha passado por uma intensa seleção com pessoas ligadas ao meio ambiente, que definiu os três finalistas", explica o diretor-presidente da Vale, Roger Agnelli. O filho de Paulo Bertran, o biólogo André Gustavo Bertran, de 21 anos, ficou surpreso quando o nome do pai foi anunciado como o vencedor. "A gente não esperava por isso. Foi como se eu estivesse recebendo um Oscar. É uma homenagem ímpar que serve também para trazer à discussão a ameaça que o Cerrado vem sofrendo", disse sorridente, enquanto era felicitado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. "Seu pai foi um bom homem", resumiu o tucano. André Bertran lembra que um dos sonhos do pai era que justamente o Cerrado fosse valorizado pela importância que possui. "A homenagem vai servir para manter vivo o trabalho que o meu pai desenvolveu ao longo da sua carreira acadêmica e das suas pesquisas de campo", comenta André, que é um dos três filhos do pesquisador. Maria Helena Bertran Chaibub, mãe de Paulo Bertran, também estava emocionada. "É muito justo pelo trabalho que o Paulo fez", resumiu. Como biólogo, André fica exultante com a premiação. "Imagina, vou poder estudar uma espécie que traz o nome do meu próprio pai. Mas é uma grande coisa!", afirma, acrescentando que pretende se especializar em biologia da conservação. A planta A planta que vai levar o nome de Paulo Bertran pertence à família das orquidáceas e foi descoberta pelo pesquisador Cláudio Nicoletti na Reserva Natural Vale, área de conservação de Mata Atlântica. A planta é trepadeira e pertence a um gênero que congrega cerca de 50 espécies, todas de zonas tropicais. O botânico a classifica como de difícil cultivo por ser uma trepadeira. As pesquisas feitas ainda não podem indicar se sua vagem teria o mesmo sabor apreciado da fava famosa da baunilha. A Vanilla bertrani normalmente tem sete centímetros de diâmetro e suas flores são grandes e de curta duração, podendo morrer 24 horas após terem nascido. Segundo o biólogo, a espécie tem como ambiente de vida o mato. As pétalas são verdes com labelo branco. As folhas são moles. É a única espécie de baunilha que tem estrutura na flor, ou seja, um local onde normalmente é guardado o néctar. As demais espécies descobertas recentemente na reserva são a antúrio mirim (Anthurium), que vai levar o nome de José Hamilton Ribeiro, bico branco (Machaerium), que vai levar o nome de Tom Jobim, antúrio quilhado (Anthurium), com nome de Zeneide Lima, antúrio verdão (Anthurium), que levará o nome de Raquel de Queiroz, cipó caldeira (Salacia), com o nome de Miguel Krigsner, e imbé feliz (Philodendron), que terá o nome de Ruth Cardoso. Além do batismo das espécies, os homenageados também estarão em selos lançados ontem pelos Correios. As imagens dos selos foram criadas pela ilustradora Dulce Nascimento. As ilustrações retratam as espécies e vêm com a indicação do nome dos homenageados. (O repórter viajou ao Rio de Janeiro a convite da Vale/Colaborou Rogério Borges)PERFILPaulo Bertran Wirth Chaibub Nasceu em Anápolis em 1948. Graduou-se em Economia e fez doutorado em História em Estrasburgo (França). Dedicou a maior parte da sua carreira ao estudo da formação do Centro-Oeste brasileiro, em especial de Goiás. Foi o responsável pela criação do termo eco-história. Foi professor da Universidades Federal de Goiás (UFG) e Universidade Católica de Goiás (UCG) e da Universidade de Brasília (UnB). Ele participou diretamente dos trabalhos que levaram ao reconhecimento da cidade de Goiás como Patrimônio da Humanidade e também do tombamento do conjunto art déco de Goiânia e do tombamento do conjunto arquitetônico de Cáceres (MT). Dentre suas obras constam: Formação Econômica de Goiás (1979), Memória de Niquelândia (1985), Uma Introdução à História Econômica do Centro-Oeste do Brasil (1988), História da Terra e do Homem no Planalto Central (1994), Notícia Geral da Capitania de Goiás (1997), História de Niquelândia (1998), Cerratenses - poesia (1998) e Cidade de Goiás (2002). Hipertenso e diabético, Paulo Bertran morreu precocemente em Goiânia aos 56 anos no dia 2 de outubro de 2005. Ele foi sepultado na cidade de Goiás. Nos últimos dias de vida, o escritor estava na antiga capital goiana fazendo uma das coisas que mais gostava: pesquisas sobre o Cerrado para novos trabalhos que preparava.

Mara Cristina Moscosomaramoscoso@gmail.comFórum de ONGs Ambientalistas do DFhttp://informe-ambiental.blogspot.com/

domingo, 2 de novembro de 2008

lixo eletrônico

Pilhas e baterias O boletim de serviço do Ministério do Meio Ambiente publicou dia 29/10 as duas Recomendações sobre pilhas e baterias aprovadas na 91ª Reunião Ordinária do Conama, realizada nos dias 10 e 11 de setembro. A Recomendação de nº 8 solicita ao Ministério da Fazenda isentar, ou reduzir a tributação que incide sobre a importação ou produção de pilhas de forma a incentivar o uso de pilhas recarregáveis em lugar das descartáveis.A de nº 9 pede que os órgãos do governo federal intensifiquem o controle e a fiscalização da importação e do comércio ilegal de pilhas e baterias que, segundo os fabricantes, respondem a 40% do mercado nacional. As duas recomendações seguirão aos destinatários ainda nesta data. Também foi aprovada na mesma reunião a resolução sobre pilhas que propõe o recolhimento por parte do comércio e dos fabricantes e importadores num prazo de dois anos. Essa resolução será publicada nos próximos dias no Diário Oficial da União.

Projeto ilhas de impressão da CAIXA
Desde 2005, banco educa empregados para a economia de papel e cartuchos
A preocupação da Caixa Econômica Federal com o meio ambiente é um dos destaques da 6ª edição do programa Benchmarking Ambiental Brasileiro, a ser realizada na quinta-feira (25), no Centro de Convenções Cadoro, em São Paulo. O projeto Ilhas de Impressão está entre os 30 cases selecionados pela comissão técnica para serem apresentados no evento.
A campanha da CAIXA, criada em março de 2005, abrange os 140 edifícios-sede e tem o objetivo de conscientizar o público interno para a economia dos recursos de impressão, especialmente papel, cartuchos de tonner e tinta. O Ilhas de Impressão concentra em locais específicos toda estrutura de impressão de forma centralizada para utilização dos empregados, prestadores e estagiários.
Com a implantação do modelo, o banco passou de uma média de uma impressora para atender cinco pessoas para uma impressora para 30 pessoas. E os resultados obtidos são significativos. Entre março de 2005 e novembro de 2006, houve uma economia de 56,7% dos gastos com os insumos de impressão.
A CAIXA reduziu também, em 59,37%, o parque de impressora – somente no prédio Matriz, em Brasília – e, por conseqüência, diminuiu o consumo e os resíduos sólidos (cartuchos, papel e componentes da máquina).
PROJETO AMPLIADO – Foi desenvolvido ainda o software de Gestão de Impressão, denominado Curupira, pela área de tecnologia da CAIXA, utilizando código aberto e executado sob o sistema operacional Linux, que permite o acompanhamento dos volumes de impressão e auxilia a gestão racional.
Em parceria ao projeto, o banco lançou a campanha Imprima Respeito à Natureza, visando promover a cultura do consumo consciente dos produtos de impressão.
ECOEFICIÊNCIA – O Ilhas de Impressão nasceu do programa de Racionalização de Gastos e Eliminação de Desperdícios (PROGED), desenvolvido em 2003, e que tem a ecoeficiência como uma de suas diretrizes.
6º BENCHMARKING – O programa Benchmarking Ambiental Brasileiro tem como objetivo principal selecionar e compartilhar o que há de melhor em conhecimento ambiental aplicado por empresas de diferentes segmentos de atuação, ONGs e governo nas várias esferas e regiões do país.
Esta edição teve 84 cases inscritos, sendo selecionados 30 “vencedores” – aqueles que comprovam a adoção de práticas que proporcionam benefícios ao meio ambiente e às comunidades, e competitividade à instituição. Portanto, exemplos a serem seguidos pela excelência de suas práticas. Assessoria de Imprensa da Caixa Econômica Federal

Você sabe o que acontece com o lixo eletrônico que você produz?

Por Eduardo Wagner


No mundo todo tal questão mal ganhou atenção, e o problema está apenas começando a ser quantificado, tanto em número de resíduos gerados como em quanto se gastará para se reciclar e destinar ambientalmente adequado estes resíduos descartados por nós.
Segundo estimativas, somente no Estados Unidos terão armazenados em 2009 cerca de 500 milhões de computadores obsoletos.
A Convenção de Basiléia, um acordo internacional que define a organização e o movimento transfronteiriço de resíduos sólidos e líquidos perigosos regulamenta o movimento destes resíduos entre países, estabelecendo obrigações e proibições às partes signatárias, para tentar controlar a entrada e saída de resíduos de modo a proteger países em desenvolvimento de se tornar grandes lixeiras de países desenvolvidos. O Brasil é signatário de tal convenção desde 93 e os EUA, maior gerador de resíduos eletrônicos do mundo não faz parte desta convenção, sendo que outros 170 países são signatários.
Com a redução do preço dos eletrônicos e melhoria das economias mundiais, a produção deste lixo eletrônico aumenta ano a ano. O que leva muitos países industrializados a exportar seus resíduos para países em desenvolvimento, pois é muito mais barato mandar para o terceiro mundo, do que arcar com as despesas de reciclagem e disposição final adequada. Muitas vezes essa transferência de resíduos eletrônicos para outros países vem disfarçada em ações de ajuda, com desculpas de levar tecnologia para países pobres, como por exemplo a atitude de vários países europeus, que mandam celulares recondicionados para países africanos a preços irrisórios para se desfazerem destes resíduos.
Parte do lixo eletrônico produzido no Brasil é processado por aqui mesmo, outra parte é mandada para países como a Bélgica, que possuem uma sólida indústria de reciclagem destes materiais, com reaproveitamento de quase todos compostos e ligas que constituem estes componentes eletrônicos.Mas apenas uma ínfima parte dos eletrônicos que são produzidos no mundo tem um destino pós-consumo adequado. Grande parte destes resíduos vão parar em países pobres e miseráveis, contribuindo para o péssimo nível de vida destas localidades ao incrementar os problemas ambientais e de saúde. Países como o Quênia, Nigéria e a China são alguns dos destinos costumazes destes produtos. O Quênia e Nigéria por serem países miseráveis que exercem pouco ou nenhum controle sobre esses resíduos. Já a China, onde apesar de ser banida a importação, sofre com a falta de controle e a corrupção, que acaba favorecendo a entrada.
A cidade de Guiyu, antes um pequeno vilarejo produtor de arroz localizado no sudeste da China, tornou-se a capital mundial do lixo eletrônico ao começar receber todo tipo de lixo eletrônico proveniente do ocidente.
A cidade hoje concentra cerca de 60 mil trabalhadores, incluindo crianças, ganhando cerca de 3 reais por dia para desmontar produtos eletrônicos em busca de materiais que tenham algum valor. Boa parte da "reciclagem" é feita queimando as fiações e outros componentes com uma mistura conhecida como Aqua Regia, que contém 75% de Ácido Hidroclorídrico e 25% Ácido Nítrico. Este composto extremamente tóxico, polui o rio que abastece a cidade, contamina as águas subterrâneas e envenena a população gradualmente, já que maioria dos trabalhadores fazem esta extração sem nenhuma proteção. Fatos que obrigam que toda água potável consumida na cidade seja proveniente de outra localidade.
Teste de acidez da água, mostra que ela está próxima a zero, o mais alto grau de acidez. Além de contaminar a água da região, isto retorna em forma de chuva ácida que contamina regiões mais distantes e mata plantações.
Outros trabalhadores tentam extrair restos de toners, utilizando pincéis para raspar as sobras, o que gera uma nuvem de tinta em pó, causando assim problemas respiratórios pela quantidade de carbono inalada provenientes desta tinta.
Os resíduos eletrônicos, contem uma vasta gama de materiais tóxicos causadores de centenas de doenças, dentre elas o câncer, produtos como: berílio, cádmio, bário, mercúrio, chumbo, PCBs, etc.
Segundo estimativa da RSA - Sociedade Real para o Fomento Comércio e Artes da Inglaterra, um britânico médio consumirá ao longo de sua vida, cerca de 35 celulares, 15 impressoras, 7 monitores, 24 mouses, 6 televisores e 8 cpu´s dentre outros, o que resulta na geração de 3,3 toneladas de lixo eletrônico durante o período de uma vida.
Tal levantamento gerou o projeto WeeeMan, que é um homem composto de todos produtos eletrônicos dispensados por um britânico médio ao longo da vida. O que não é pouca coisa.
ABAN - Rede de Ação da Convenção de Basiléia, instituição que promove as ações previstas na convenção tem um website em inglês com diversas informações sobre o assunto, e dentre eles, promovem um filme intitulado The Story of Stuff que demonstra a intrincada rede de conexões ambientais e sociais entre o consumidor e a cadeia de vida dos produtos consumidos, chamando-nos para contribuir para um mundo mais justo e sustentável, onde cada um pode fazer sua parte. Clicando no link abaixo você pode fazer o download do filme, que está em inglês.
Mas temos de ponderar que quando falamos da geração de todo esse lixo, desse descarte eletrônico, nós vamos além do paradigma da redução do consumo, onde se propõe que muitos dos problemas ambientais podem ser resolvidos com a redução do consumo. Pois com os atuais níveis de evolução tecnológica, o ato de comprar um novo produto vai além da escolha em se adquirir ou não este produto em questão, e chega na necessidade de se ter o novo equipamento pela simples obsolescência do predecessor.
Isso nos leva ao ponto crucial de que não basta apenas consumir conscientemente, mas também cobrarmos e agirmos pela implementação de programas de reaproveitamento, reciclagem e descarte adequados de tais produtos, pois queiramos ou não, a tecnologia que tanto nos facilita a vida força o incremento da geração de resíduos perigosos.Fontes: Environmental Graffiti, The Seattle Times, Weeeman, Basel Action Network, The Story of Stuff.


domingo, 19 de outubro de 2008

Samora Machel, o primeiro presidente de Moçambique independente - de 1975 até a sua drástica morte em 1986. Passam até a data 22 anos. Para relembrar este carismático LÍDER, que dedicou sua vida inteiramente para o desenvolvimento socio-cultural e emancipação do seu povo, e não só, apresento aqui alguns dos seus pensamentos extraídos do livro "A NOSSA LUTA" publicado pela Imprensa Nacional, Maputo, em 1975:

PRODUZIR E APRENDER, APRENDER PARA PRODUZIR E LUTAR MELHOR

Na nossa zona, o trabalho é um acto de libertação, porque o resultado do trabalho beneficia os trabalhadores, serve os interesses dos trabalhadores, isto é, serve para libertar, o homem da fome, da miséria, serve para fazer progredir a luta. Porque na nossa zona abolimos a exploração do homem, porque a produção é propriedade do povo, ela serve o povo. Na nossa zona, porque o nosso combate é para libertar os trabalhadores explorados, é com orgulho que nos vemos as nossas mãos com calos, é com alegria que nos enterramos os nossos pés na terra. O trabalho na nossa zona ajuda-nos a desenvolver a consciência da nossa origem, ajuda-nos a sentirmo-nos orgulhosos da nossa classe, ajuda-nos a liquidar os complexos, que os colonialistas queria impor-nos.

Há companheiros que desprezam o estudo, porque ignoram o seu valor. O estudo e como uma lanterna a noite, mostra-nos o caminho. Trabalhar sem estudar, ‘e andar as escuras, pode-se avançar, e certo, mas grandes são os riscos de tropeçarmos, de nos enganarmo-nos no caminho.

Nos costumamos dizer que apreendemos a guerra na guerra, o que quer dizer, na realidade, que e fazendo a revolução que apreendemos a melhor fazer a revolução, lutando que aprendemos a lutar melhor, e produzindo que aprendemos a melhor produzir. Podemos estudar muito, ler muito, mas para que servirão essas toneladas de conhecimento se não levarmos as massas, se não produzimos? Se alguém guarda sementes de milho na gaveta, será que vai colher maçaroca?

Quando eu Nianja estou a cultivar lado a lado com o Ngoni, estou a suar com ele, com ele a arrancar vida à terra, eu estou a apreender com ele, estou a apreciar o seu suor, estou-me a sentir unido a ele. Quando eu do norte, aprendi com um camarada do sul a fazer horta, e irrigar os tomates vermelhos e carnudos, quando eu do centro aprendi com o camarada do norte a fazer crescer a mandioca que desconhecia, estive-me a unir com esses camaradas, estive a viver, materialmente, a unidade da nossa Pátria, a unidade da nossa classe de trabalhadores. Estive a destruir com ele os preconceitos tribais, religiosos, linguísticos, tudo o que era secundário e nos dividia.Com a planta que cresceu, com suor e inteligência que ambos misturamos à terra, cresceu a unidade.

(in A Nossa Luta, Samora Moisés Machel, Imprensa Nacional, 1975, Maputo, pags 23,24)

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Salatiel Dias


Estou aqui para divulgar meu primeiro Cd;Nasci em Caruaru(capital do forró);sou filho do acordeonista CAMARÃO um dos grandes mestres da música regional o qual foi considerado Patrimônio vivo do Estado de Pernambuco,através da convivençia do meu pai eu cresci próximo a meus ídolos como:Luiz Gonzaga;Marinês;Genival Lacerda;Domiguinhos e tantos outros.Ainda criança fui para o Conservatório Pernambucano de música,cercado deste mundo fascinante não poderia ser outra coisa se não músico.Em 1987 me tornei profissional desde então trabalhei com meus ídolos e tantos outros e também trabalhei com artistas de outros gêneros como:Cauby Peixoto;Hermeto Pascoal;Moacir Franco e outros.Hoje estou com meu Cd com participações de mestres como:Domiguinhos;Genival Lacerda;Terezinha do Acordeon;Genario(ex-Trio Nordestino)Que já está a venda;caso queira conheçer um pouco do meu trabalho no http://www.sitecurupira.com.br/

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

3ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul

Companheiros
Convido todos para a 3ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul.
Em Brasília, a Mostra será no Centro Cultural Banco do Brasil (SCES, Trecho 02, cj 22) entre 14 e 19 de outubro. A entrada é franca.

O evento percorre ainda outras 11 capitais brasileiras: São Paulo (6 a 12/10), Curitiba (7 a 15/10), Salvador (10 a 16/10), Rio de Janeiro (13 a 19/10), Fortaleza (13 a 19/10), Teresina (14 a 19/10), Recife (20 a 26/10), Porto Alegre (21 a 27/10), Belém (22/10 a 2/11), Belo Horizonte (27/10 a 2/11) e Goiânia (31/10 a 6/11).

Confira a programação completa e novidades: http://www.cinedireitoshumanos.org.br/.

Repasse para os amigos e nos vemos na Mostra!
Abraços,

Aluízio Augusto

3a. Mostra Cinema e Direitos
Humanos na América do Sul
brasiliamostradh@gmail.com
http://www.cinedireitoshumanos.org.br/

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Felicidade Assunto: vídeo OVNI - 14 de outubro - veja o vídeo

Sou leia a mensagem canalizada pela australiana: PARA LÍDERES, GOVERNADORES, POLÍTICOS E TODOS OS POVOS E PESSOAS DA TERRA. Queremos que seja compreendido que no dia 14 do seu mês de Outubro do ano de 2008, uma grande nave será visível nocéu. Ela estará no hemisfério Sul e passará sobre muitos dos seus estados. Nós fornecemos a vocês o nome de Alabama. Foi decidido que permaneceremos dentro da sua atmosfera por um mínimo de três dos seus períodos de 24 horas. Durante este período, haverá muita agitação no seu plano terreno. Suas autoridades mais elevadas invadirão o nosso espaço aéreo. Esta área de segurança é necessária para nós, pois haverá uma farsa, criada poraqueles entre vocês que tentarão negar que nós viemos emAMOR SAIBA ISTO: NÓS VIEMOS PARA AJUDAR O SEU MUNDO NÓS NÃO VIEMOS PARA DOMINAR NÓS NÃO VIEMOS PARA DESTRUIR NÓS VIEMOS PARA LHES DAR ESPERANÇA Nós somos seres de outros planetas, que durante muitas eras do tempo de vocês temos nos preparado para os dias que estão se aproximando. Nós pedimos para cada alma que ler estas palavras para aceitar nos seus corações a verdade mais profunda, pois no fundo dos teus corações está o conhecimento que istodeverá acontecer. Haverá muitos que negarão. Haverá muitos que ignorarão. Haverá muitos que SABERÃO desta VERDADE. Não importa qual deles você entenda isto. IRÁ ACONTECER Nós lhes daremos a oportunidade de filmar e fotografar esta nave. Não haverá um contato na forma que aqueles do seu planeta gostariam. Nesta apresentação inicial nós apenas apresentaremos a nossa nave a vocês Nós dizemos a vocês, esta aparição certamente será suficiente para compreenderem inicialmente. Serão tentados diversos métodos para atravessar a nossabarreira de segurança, mas eles não terão sucesso. Até nós podermos provar para vocês que nós viemos em AMOR, nós não permitiremos um contato mais próximo. SAIBA DISTO ESTE É O INÍCIO E NÃO O FIM Os seus governos e a mídia tentarão nos esconder, mas isto falhará. Todas as vias foram antecipadas e cobertaspor nós. A mídia não terá escolha, a não ser exibir a VERDADE, pois ela estará lá para todos verem. Amigos da Terra, não tenham medo. Nós convidamos vocês a CONFIAREM que nós viemos para trazer a queda daqueles que têm más intenções para com o bem estar do seu planeta. Se nós não intervirmos agora, como foi planejado há muitas eras do seu tempo terreno, temos receio que será tarde demais. NÓS PEDIMOS QUE VOCÊS NOS ACEITEM COM AMOR POIS É POR AMOR QUE VIEMOSAs conversas que dizem que vocês foram informados sobre nós por meio de filmes, etc. não é faz de conta. Nós temos plantado e regado algumas sementes de verdade no seu planeta em preparação para estes dias. POIS SEM DÚVIDA NÓS VIEMOS EM PAZ Encham os seus corações com confiança nesta informação Nós somos os seus irmãos e irmãs de outros lugares Nossa tecnologia é muito avançada. Existem pessoas em altos postos nos governos que SABEM muito bem disto, e, portanto não adiantaria eles fingirem que precisam de armaspara nos destruir No dia da nossa aparição, nós pedimos a vocês que escutem ao coração de vocês, e NÃO escutem as palavras daqueles que estarão com muito medo de perder o seu poder. Por muito tempo o seu mundo viveu sob uma nuvem,desconhecida pela maioria de vocês. Se vocês conhecessem a verdade sobre o que foi escondido, vocês ficariam muito chocados. Chegou a hora das suas almas serem permitidas a ser quem elas são O véu será removido SINTA-SE FELIZ É HORA PARA ISTO. VOCÊ SABERÁ DISTO QUANDO O SEU CORAÇÃO ACEITAR A VERDADEIRA RAZÃO PARA A NOSSA VINDA PARA TRAZER UMA COMPREENSÃO DE AMOR. SAIBA ISTONós escolhemos parar por aqui Fique vigilante. Mantenha os olhos no céu Mantenha AMOR no seu coração Nós a Federação da Luz nos despedimos, deixando encorajamento e esperança ao começarmos a ascensão para o novo mundo Cada um de vocês escolheu estar aqui para esta ascensão. Agora você precisa decidir se a sua forma humana fará a mesma escolha Aceite a ascensão com AMOR, ou rejeite-a com MEDO Que o aspecto mais elevado da sua alma te encha de luz na medida em que você avança bravamente para frente.Gratidão a todos aqueles que nos ajudam nesta causa. Novos endereços, o Yahoo! que você conhece. Crie um email novo com a sua cara @ymail.com ou @rocketmail.com.http://br.new.mail.yahoo.com/addresses


Seminário Biblioteca e Acessibilidade: Deficiência Visual em Foco

Objetivo: Reunir profissionais envolvidos no processo de Informação e Educação de pessoas com deficiência visual no debate acerca de melhores opções de acessibilidade nas ambiências de leitura.

Mesa-redonda:

O Atendimento a usuários Cegos na Biblioteca Pública do Estado da Bahia (Relato de Experiência): Jerusa Maria Ferreira de Souza (Professora com Habilitação em Educação de Pessoas com Deficiência Visual);
Tecnologias Assistivas e o Acesso à Informação: Iracema Vilaronga (Mestranda em Educação e Contemporaneidade pela UNEB);
A Inclusão da Pessoa com Deficiência Visual através da Produção Escrita: Patrícia Silva de Jesus (Especialista em Educação Especial pela UNEB).

A entrada é franca e com direito a atestado de participação.
Informações: [71] 8826-9195
patriciasbt@gmail.com--

Livros em Braille: Amplie sua visão!




segunda-feira, 22 de setembro de 2008


5ª Estação Jazz Café cada vez melhor, apresenta:


CLSW 301 Sudoeste, escada lateral, subsolo do Big Box.
No momento não estamos aceitando cartões.
A casa abre as 19h30

R$ 10,00 – 21h – (61) 9971-3353 – Classificação 18 anos
QUARTA 24/set

QUARTETO INSTRUMENTAL tocando diversos temas de grandes nomes do jazz, bossa nova e MPB como Miles Davis, John Coltrane, Chick Corea, Pat Metheny, Tom Jobim, João Donato, Pixinguinha e K-Ximbinho.
Pablo Garcia (guitarra, violão e bandolim), Lucas Fernandes (Baixo elétrico e fretless), Zéo Cella (Bateria) e Hugo Abrahão (sax).

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Uirapuru Bambu - espetáculo performático









Memorial dos Povos Indígenas
11 a 14 de setembro de 2008
de quinta a sábado `as 21h e domingo `as 20h

Retire seu ingresso no Memorial, em troca de 3kg de alimento não-perecível, nos dias de espetáculo, das 12h30 `as 14h e das 17h `as 19h

segunda-feira, 8 de setembro de 2008



Arte em Café



Em grande escala o trabalho do barista está sendo difundido por todo pais. E automaticamente o chamado" latte art ou coffe art "vem cada vez mais chamando a atenção de quem aprecia um bom café;
Latte art ou Coffe Art são termos que se referem às figuras feitas, por um barista, na superfície de bebidas à base de café expresso. Estas figuras são, geralmente, feitas utilizando-se um dos dois métodos existentes, ou, algumas vezes, combinando-os.
Boa parte das vezes são usados na arte: canela em pó ,chocolate em calda e chantilly ,.Mas o grande segredo também está no leite vaporizado,consistente e cremoso.
A arte do café não é só desenhos e formas, mas também é a qualidade e o sabor da bebida que é servida pelo Barista,O latte art já possui competições onde não só a forma é avaliada mas também o sabor da bebida,que é quase tão importante quando a própria arte .
Temos como' exemplo' café expresso com base de aromatizante de avelã,leite vaporizado e chantilly que leva o nome de nosso estabelecimento "Café dos Cata-ventos "(foto ao lado )com aroma e sabor agradável a qualquer paladar .
Colaborador Edilson Guerra

domingo, 17 de agosto de 2008


FESTA DO FOLCLORE - ALMOÇO


DIA 31 DE AGOSTO DE 2008 GINÁSIO COLÉGIO CONCÓRDIA(Rua Capistrano de Abreu, 229 – Niterói – Canoas/RS) APRESENTAÇÕES GRUPOS
FOLCLÓRICOS BAILE DURANTE TODA A TARDE FEIRA DE ARTESANATOS SORTEIO DE BRINDES R$ 8,00 Ingresso (Almoço + Apresentações Folclóricas + Baile) ALMOÇO – 12 HORAS- Galeto- Massas- Saladas- Sobremesa.
INGRESSOS A VENDA COM DANÇARINOS DO GRUPO RESERVAS:51 8115 1580 C/ Oliana51 9815 294 c/ Alexandre Ou envie um e-mail reservando solovey@bol.com.brsolovey@pop.com.br
Realização: FOLCLORE UCRANIANO SOLOVEY(Departamento Grupo de Danças Infantil) Apoio Cultural: COLÉGIO CONCÓRDIA CANOAS http://www.solovey.com.br/http://www.concordia.g12.br/

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Chapada recebe Festival de Música Instrumental e Arte Popular



A cidade de Cavalcante será cenário do IV Festival de Música Instrumental e Arte Popular de Cavalcante, nos dias 22, 23 e 24 de agosto. Shows, espetáculos teatrais, filmes, exposições e palestras compõem a programação do evento.

Diversas manifestações da música, literatura, fotografia, dança, cinema e teatro unidas num mesmo ideal: resgatar os valores da cultura natural do Cerrado e dos povos nativos de Cavalcante. Nos dias 22, 23 e 24 de agosto, a cidade localizada em Goiás, a 320 quilômetros de Brasília, será sede do IV Festival de Música Instrumental e Arte Popular de Cavalcante. Um intenso intercâmbio cultural entre Brasília e Cavalcante é característica marcante do evento.

Nos três dias, o Festival apresenta diversos shows com renomados artistas locais e nacionais. Entre eles estão Pequena Orquestra de Cavalcante, Alma Brasileira, Duo 13 Cordas, Amoy Ribas e grupo, Coral de Trombones de Brasília, Quarteto Capital, Dança da Sussa, Manoel de Carvalho e Orquestra Brapo e Cacai Nunes.

A proposta do IV Festival de Cavalcante é unir arte, cultura popular e meio ambiente como semente única de produção de idéias. Exemplo vivo disto é o Festival de Cinema Etnográfico, encarregado pela abertura do evento, no dia 22 de agosto, com exibição do documentário "O Rio São Francisco", de Valter Carvalho, que narra a vida e o cotidiano da população ribeirinha ao São Francisco.

IV Festival de Música Instrumental e Arte Popular de Cavalcante

Programação:
Sexta-feira - 22/8
Atividades no Espaço Cultural OSOCA (Organização Social de Cavalcante)

16h: Lançamento da pedra fundamental do Festival de Cinema Etnográfico de Cavalcante

17h: Festivalzinho de Clássicos de Desenhos Animados em 16 mm para as crianças da rede pública de Cavalcante

19h: Documentário "O Rio São Francisco", de Walter Carvalho, película em 16 mm.

19h30: Apresentação do Filme "Sagarana" - O Duelo de Paulo Thiago

21h: Apresentação da peça "O Salvamento da Sucupira do Grupo Teatral Natureza Viva"

Sábado - 23/8

Palestra - OSOCA

15h: Palestra "O pato mergulhão e a sua importância para a conservação da biodiversidade na região da Chapada dos Veadeiros" - Fernando Lima - Coordenador de Projetos - Funatura - OSOCA

Palco Musical - Praça Central Diogo Teles de Cavalcante

17h: Apresentação do Grupo Invenção Brasileira coordenados por Chico Simões

18h20: Apresentação da Pequena Orquestra de Cavalcante sob a batuta do Marció do Grupo UdiGrudi

19h: Alma Brasileira

20h: Duo 13 Cordas

21h: Dança da Sussa

22h: Amoy Ribas

22h: BRAPO

Domingo - 24/8

Palestra - OSOCA
15h: "Caminhos do Anhanguera" Gustavo Chauvet

Praça Central Diogo Teles de Cavalcante

16h: Apresentação do Grupo Invenção Brasileira coordenados por Chico Simões

17h: Quarteto Capital

18h: Dança da Sussa

19h: Coral de Trombones

20h: Cacai Nunes

Data: dias 22, 23 e 24 de agosto

Entrada franca

Informações: 8430-8839 / 7814-0063 (Festival)

Centro de Informações ao turista – CAT - (62) 34941507 (61) 99241286

Assessoria de Imprensa: ETC Comunicação e Movimento Calango

3032-8775 / 8114-2797

Patrocínio: Petrobrás

Apoio cultural: Correio Braziliense e Prefeitura de Cavalcante

Realização - Ponte Studio Gravações

http://www.festivaldecavalcantego.blogspot.com/

Lixo eletrônico

Loading...

Área de Preservação Ideológica!!!

Bem vindos a Área de Preservação Ideológica!
http://www.sitecurupira.com.br/