sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Campeonato Brasileiro Internacional de Voo Livre

Brasilia - A 2ª Etapa da 36ª edição do Campeonato Brasileiro Internacional de Voo Livre que acontecerá na capital Federal, de 21 a 27 de agosto. As decolagens acontecem na rampa de voo livre do Vale do Paranã, e os pousos na Esplanada dos Ministérios

Ambientalistas preparam novos protestos contra construção da Usina de Belo Monte

Brasília - Movimentos sociais e organizações ambientalistas preparam uma nova manifestação contra a Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu (PA). No próximo sábado (20), eles promovem mobilizações em 15 cidades brasileiras. Na segunda-feira (22), os protestos serão feitos em frente a embaixadas e consulados brasileiros em 20 cidades de 16 países.
O representante do Movimento Brasil pela Vida nas Florestas, Marco Antonio Morgado, diz que, mesmo com o início das obras da usina, autorizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em junho, o projeto não é considerado um fato consumado. “Queremos trazer a discussão de volta para a pauta, que estava sedimentada. Pelas ações que tramitam na Justiça, acreditamos que ainda é possível revogar o projeto e evitar que essa obra vá adiante.”
Ontem (17), o Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA) entrou com mais uma ação na Justiça para contestar o empreendimento. Dessa vez, o MPF pede a paralisação da obra pela violação de direitos de povos indígenas da região, que terão ser removidos de suas áreas tradicionais, o que é vetado pela Constituição.
Em São Paulo, o grupo espera reunir 4 mil pessoas na Avenida Paulista. Em Belém, a expectativa do Comitê Metropolitano Xingu Vivo para Sempre é que 2 mil pessoas participem do protesto, inclusive representantes de comunidades indígenas do Xingu, que serão afetadas direta ou indiretamente pela obra.
Segundo Morgado, as manifestações vão pedir a paralisação de Belo Monte e a rediscussão de grandes projetos desenvolvimentistas. “A população brasileira não foi consultada. Belo Monte vai na contramão de uma perspectiva de sustentabilidade social e ambiental”.
A lista de cidades e a programação podem ser consultadas no endereço http://www.xinguvivo.org.br/acao/.
Fonte: Agência Brasil
Por: Luana Lourenço

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

A deficiência da comunicação e a audiodescrição

“A Belíssima tem uma promoção que vai fazer a sua cabeça! Modelador de cabelos Master Hair: seca, penteia e deixa seus cabelos mais bonitos. Ligue agora para o telefone que está em seu vídeo e aproveite esse precinho especial que cabe em seu bolso”.


A propaganda é fictícia, mas qualquer semelhança com a realidade não será mera coincidência. Diariamente centenas de pessoas com deficiência visual estão expostas à “cegueira” de alguns meios de comunicação que insistem em invisibilizar uma parcela da população que já se faz notar há décadas.

Sempre ouço queixas de meus amigos ou colegas que possuem limitação visual acerca de anúncios na TV que não deixam rastros sonoros de onde comprar, para onde telefonar ou mesmo quanto pagar. Mas todas as informações estão ali, “basta dar uma olhadinha em seu vídeo”.

A evolução das lutas por inclusão mostra a pessoa com deficiência visual como um protagonista muito interessante. Em tempos passados, a imagem que se tinha de um cego, por exemplo, era a de um pedinte tocando uma gaita. Hoje temos representações em diversos setores da sociedade.

Quem já conseguiu sair do quarto isolado da casa, ser alfabetizado através de uma escrita que atende a sua necessidade sensorial, anda sozinho pela cidade conduzido por um cão-guia ou pela tradicional bengala, ocupa um banco de universidade e um lugar no mercado de trabalho ou mesmo aquele que ainda não conseguiu viver todas essas etapas, merece uma atenção especial. Acho justo.

Às vezes, em meus dias de idéias mais ácidas, eu comento provocativa: “a inclusão social plena do cego acontecerá quando seu potencial de consumo for descoberto”. Luto bravamente para não me guiar por essa hipótese, porque confio na evolução do ser humano e da consciência de que é melhor vivermos juntos do que segregados. E vou confessar: acredito mesmo na bondade.

Estamos vivendo um momento muito especial no Brasil. No dia 1º de julho de 2011 a Audiodescrição chegou oficialmente em nossa televisão. Aquelas cenas mudas onde o casal se olha nos olhos, a música romântica invade tudo e eles se beijam ardentemente poderão ser “vistas” por todas as pessoas, porque haverá um locutor narrando criteriosamente o que necessita ser dito para que a compreensão da obra, por parte dos que têm limitação visual, aconteça. E a Audiodescrição não se aplica só à televisão: através desse recurso, quem possui alguma limitação visual também poderá usufruir, com maior proveito, de espetáculos de teatro, dança, exposições de arte, filmes e toda produção onde se faça necessário traduzir imagens em palavras.

Infelizmente apenas duas horas da programação semanal da TV conta com esse recurso [disponível por sinal digital], mas a perspectiva é que haja ampliação. A notícia boa é que, cegos ou videntes, estamos “de olhos bem atentos” para que o direito ao acesso seja realmente de todos. Para citar um exemplo de maneiras delicadas de termos nossos direitos garantidos e encerrar esse texto, compartilho com vocês um ocorrido do qual fui cúmplice:

Tenho uma amiga que cursava História em uma grande universidade e durante um ciclo de seminários realizados por alunos, todos teriam de compartilhar resumos impressos de suas comunicações orais. Ninguém atentou que essa minha amiga é cega e que sua escrita é o Braille. Todos os resumos das palestras foram entregues a ela em tinta. Quando foi sua vez de palestrar, entregou seu resumo em Braille para todos os presentes. Houve quem protestasse e dissesse “eu não sei ler isso aqui!!” e ela respondeu: “você não SABE Braille, mas pode aprender e eu não POSSO ler em tinta, porque sou cega. É só uma forma de vocês entenderem como nos sentimos quando o acesso à leitura nos é negado”. A partir daí, os colegas providenciaram resumos em áudio e outros me procuraram para produzir o material em Braille. Se quem não enxerga se omite, a comunicação continuará sofrendo de uma deficiência crônica que pode agora ser chamada de “descaso”.
Por: Patrícia Silva de Jesus

terça-feira, 9 de agosto de 2011

5º ENCONTRO DE MALABARES E CIRCO HOMENAGEIA MESTRE WASHINGTON


O 5º Encontro Goiano de Malabares e Circo chega em 2011 com a maleta cheia de coisas novas. Além de ampliar a programação para uma semana de atividades, a abertura do evento acontece no dia 15 de agosto, a partir das 19 horas, na Praça Boaventura – Setor Vila Nova, celebrando a 5ª edição do Projeto Malabariando.

E as novidades não param por aí. Fruto das parcerias com o CEP Basileu França (antigo veja Valle) e com o Circuito do Samba, dois novos espaços fazem parte do calendário oficial do evento: as oficinas serão ministradas no CEP e na Noite do dia 19 de agosto, Sexta Tem Samba especial Noite do Fogo no DCE/PUC, com apresentação de números pirofágicos.

O objetivo da equipe organizadora do Encontro é fomentar a cena artística local, além de promover a circulação de artistas e plateia pelos espaços culturais de Goiânia. “Entendemos que muitos são os produtos e produtores culturais em Goiânia e por isso queremos participar de uma rede que some nas mais diversas iniciativas. O Encontro é de malabares e circo, mas dialoga com todas as demais vertentes, por isso acredito que as parcerias firmadas esse ano dão uma cara nova ao evento”, diz Jhony Robson – Bulacha, um dos idealizadores do Encontro.

Apesar das inovações, o evento também não abre mão de suas raízes: há dois anos pelo menos um grande artista circense é homenageado. A exemplo disso estão Robby Rethy Junior (SP), considerado o malabarista mais rápido da América do Sul e o saudoso Palhaço Zé Palito do Circo Lahetô (GO), lembrado por todos como um grande herói do picadeiro. Este ano quem recebe a homenagem é Mestre Washington da Cia Bokemboka (Anápolis/GO). Também conhecido como Palhaço Seu Menino, o nosso grande nome participa de diversos grupos, tendo mais de vinte anos de palco. Em 2010, recebeu o prêmio “Carequinha” do Ministério da Cultura, como parte do reconhecimento por sua atuação com brincadeiras e brinquedos educativos e sua criatividade para ensinar e divertir no caminho da consciência política, ambiental e ecológica junto à cultura tradicional.

É com a força e alegria de Mestre Washington que o 5º Encontro Goiano de Malabares e Circo põe seu bloco na rua e convida a tod@s para um passeio ao universo cênico, trazendo em seu coração a alegria do circo estampada no rosto, o brilho nos olhos diante ao ilusionismo, o voo preciso dos acrobatas, a pluralidade dos malabaristas e a generosidade do palhaço na alma.

Serviço
“5º Encontro Goiano de Malabares e Circo”
Data: de 15 à 21 de agosto de 2011
Locais: Praça Boaventura, CEP Basileu França e Praça Universitária
Informações: Canela di Ema Produções (62) 3645-6138 / Janaína Soldera (62) 9975-7363 / Clécia Santana (62) 9141-2921 / Amanda Braga (62) 9238-2870

A liberdade da internet no Brasil

A pressão está funcionando! A pressão popular forçou o Congresso a adiar a votação -- vamos dobrar o nosso chamado. Assine agora a mensagem e encaminhe para todos!


Caros amigos de todo o Brasil,

Na semana que vem, o Congresso poderá votar um projeto de lei que restringiria radicalmente a liberdade da internet no Brasil, criminalizando atividades on-line cotidianas tais como compartilhar músicas e restringir práticas essenciais para blogs. Temos apenas seis dias para barrar a votação.

A pressão da opinião pública derrotou um ataque contra a liberdade da internet em 2009 e nós podemos fazer isso de novo! O projeto de lei tramita neste momento em três comissões da Câmara dos Deputados e esses políticos estão observando atentamente a reação da opinião pública nos dias que antecedem à grande votação. Agora é nossa chance de lançar um protesto nacional e forçá-los a proteger as liberdades da internet.

O Brasil tem mais de 75 milhões de internautas e se nos unirmos nossas vozes poderão ser ensurdecedoras. Envie uma mensagem agora mesmo às lideranças das comissões de Constituição e Justiça, Ciência e Tecnologia e Segurança Pública e depois divulgue a campanha entre seus amigos e familiares em todo o Brasil:

http://www.avaaz.org/po/save_brazils_internet/?vl

O projeto de lei do deputado Azeredo sobre a internet supostamente teria o objetivo de nos proteger contra fraudadores e hackers. Porém, como alguém que faz uma cirurgia com uma motosserra, as normas excessivamente cautelosas impostas pelo projeto de lei trariam altíssimos custos sem de fato cumprir seu objetivo. Em vez de capturar os verdadeiros criminosos, elas penalizariam todos nós. Por esse motivo, até mesmo o importante site anti-pedofilia, o SaferNet é contra o PL Azeredo.

Se esse projeto de lei for aprovado, nossa privacidade e liberdade de expressão, criação e acesso on-line ficarão gravemente limitadas. Pior que isso, os provedores de internet que mantêm informações detalhadas sobre nosso histórico de navegação na internet passarão a ser “policiais virtuais” monitorando os usuários a todo momento.

O projeto de lei tem circulado em Brasília por mais de uma década, e a pressão da opinião pública já o derrotou antes. Em 2009, uma consulta pública sobre o “Marco Civil da Internet” barrou o andamento do projeto. Mas alguns meses atrás, o deputado Azeredo tentou apressar a aprovação no Congresso, usando os ataques de crackers aos sites do governo como desculpa. Um novo Congresso e uma maior conscientização sobre as amplas implicações do projeto de lei significam que nossas vozes poderão fazer a diferença. Envie agora mesmo uma mensagem às lideranças na Câmara:

http://www.avaaz.org/po/save_brazils_internet/?vl

Infelizmente, o PL Azeredo não é a única lei desse tipo. Em todo o mundo, na Índia, Turquia, Estados Unidos e outros países, a liberdade da internet está sob ataque promovido por iniciativas similares. Mas os membros da Avaaz nesses países estão se mobilizando. Vamos fazer a nossa parte neste movimento popular global em defesa da web barrando o PL Azeredo.

Com esperança,
Emma, David, Ricken, Maria Paz, Giulia, Rewan e a equipe da Avaaz

FONTES:
Petição do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, instituição parceira da Avaaz:
http://www.idec.org.br/campanhas/facadiferenca.aspx?idc=24

Liberdade de internautas no Brasil pode estar com os dias contados (Portal Imprensa):
http://portalimprensa.uol.com.br/noticias/brasil/43707/liberdade+de+internautas+no+brasil+pode+estar+com+os+dias+contados/

Entenda o que é o marco civil da internet (UOL):
http://tecnologia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2010/06/09/entenda-o-que-e-o-marco-civil-da-internet.jhtm

'AI-5 digital' volta a circular no Congresso (Rede Brasil Atual):
http://www.redebrasilatual.com.br/temas/tecnologia/2011/06/ai-5-digital-volta-a-circular-pelo-congresso

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Jongo pode entrar no calendário oficial de comemorações do Rio de Janeiro

Considerado avô do samba, o Jongo, dança comunitária herdada dos escravos angolanos de origem bantu, poderá ser comemorado todos os anos em data especial no Rio de Janeiro, por meio do Projeto de Lei 468/2011 que instituirá 26 de julho, o Dia Estadual do Jongo. A data foi escolhida em homenagem ao orixá Nanã, padroeira da manifestação na religião de matriz africana Umbanda, que no catolicismo corresponde a Sant’Anna.


A dança já é festejada no Rio de Janeiro há pelo menos 150 anos. Para Rodrigo Nascimento, representante regional da Fundação Cultural Palmares (FCP) no estado, os grupos de Jongo representam a sociedade brasileira, por isso, o estado deve se unir às agendas do poder público. “O trabalho unificado entre as instituições pode ajudar na pauta de reivindicações pela valorização e para o avanço destes grupos”, ressalta.

Com a oficialização do Dia Estadual do Jongo no Rio de Janeiro, grupos jongueiros esperam que a mobilização em torno do assunto ganhe repercussão em outros estados para que seja possível, em um futuro próximo, a criação do Dia Nacional do Jongo.

HERANÇA DOS ESCRAVOS – Durante todo o período colonial, o jongo foi uma das poucas manifestações públicas permitidas aos negros. Com a abolição, ganhou ainda mais força como expressão da cultura africana, principalmente no sudeste do país, e foi estabelecido, em 2005, patrimônio imaterial brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Também conhecido como caxambu e tambu, o jongo é uma forma de expressão que integra percussão, canto e dança. Como forma de resistência à dominação colonial, os jongueiros e seus descendentes mantiveram e transmitem até os dias atuais, as práticas, os saberes e valores contidos na manifestação às novas gerações.
Fonte: Fundação Cultural Palmares

Por Daiane Souza

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Os contos de Goiás nos Cantos de Brasília

Show na Barca Brasília com Sergio Duboc e Ângela Barcelos
Neste sábado e domingo, dias 6 e 7 de agosto, com partida às 17h do cais do Restaurante Retiro do Pescador (Clube da Imprensa), a Barca Brasília apresenta o show do violonista, cantor e compositor, Sérgio Duboc, acompanhado de Ângela Barcellos, arte-educadora, pesquisadora e grande contadora de histórias. No show são contadas histórias recolhidas em Goiás e cantadas histórias compostas em Brasília, um belíssimo repertório de gêneros e estilos variados. O cenário para tanto encantamento é o espetáculo imperdível do pôr do sol e do anoitecer no Lago Paranoá, a bordo da Barca Brasília. A Barca Brasília garante com sua equipe bem treinada, conforto, segurança e atendimento personalizado! Ingressos limitados! Antecipe sua reserva!


OS ARTISTAS:
Era uma vez um cantor e uma contadora que se conheceram, ele cantando... Ela contando... Os dois encantando, encantados ficaram! Desse encanto nasceu a vontade de espalhar cantos, contos e encantos que as histórias das músicas e narrativas provocam, suscitando no ouvinte emoções e imagens múltiplas...!

Sérgio Duboc – músico, compositor, cantor e arranjador, integrante do lendário grupo Liga Tripa, referência cultural em Brasília; desenvolve também outras parcerias e trabalhos.

Ângela Barcellos – contadora de histórias, arte-educadora, professora de artes cênicas na UFG; pesquisadora na área de cultura popular, jogos e brincadeiras; autora do livro: “Dos contadores de histórias e das histórias dos contadores”.

SERVIÇO
Show na Barca Brasília com Sergio Duboc e Ângela Barcelos.
Data: 6 e 7 de agosto – sábado e domingo
Local de embarque: Cais do Restaurante Retiro do Pescador, Setor de Hotéis e Turismo Norte (Próximo à Vila Planalto)
Partida: 17 hs; Previsão de chegada: 20hs.
Valor do PASSEIO: R$ 40,00

PROMOCÃO: 25% desconto no pagamento antecipado até 5ª Feira: R$ 30,00 por pessoa.
Valor do COUVERT ARTISTICO: R$10,00
Consumo de alimentos e bebidas à parte.

Reservas e informações:
Telefones: (61) 8419 7192
8195 7551 (Edmilson Figueiredo).
passeio@barcabrasilia.com.br

Dicas e Normas:
1- Evento não indicado para menores de 18 anos desacompanhados.
2- Tenha à mão um agasalho.
3- Crianças de 0 a 2 anos não pagam, de 3 a 12 anos pagam meia, acima de 12 anos pagam como adulto.
4- Crianças até 12 anos uso obrigatório de colete salva-vidas.
5- É proibido levar animais domésticos ao passeio.
6- O passeio poderá ser cancelado se as condições técnicas ou climáticas não favorecerem.
7- Saída com o máximo de 40 passageiros.
8- Chegue ao cais com o mínimo de 30min de antecedência do horário de partida.

Lixo eletrônico

Loading...

Área de Preservação Ideológica!!!

Bem vindos a Área de Preservação Ideológica!
http://www.sitecurupira.com.br/