sábado, 30 de janeiro de 2010

O compositor Geraldo Carvalho participa novamente do projeto cultural
Movimento cultural na Rota do Sol

Sob as bênçãos da lua e de três reis magos pra lá de musicais, um dos projetos mais efervescentes da história musical potiguar retoma as atividades. Uma Lua na Rota do Sol relembra a empolgação de reveillons passados e recria clima nostálgico com um que de modernidade multimídia ao reunir manifestações artísticas diversas em um mesmo espaço. O produtor Nelson Rebouças e os músicos Pedrinho Mendes e Geraldo Carvalho são os responsáveis pelo revival, realizados em edições mensais entre 2004 e 2006. Os shows acontecem hoje na Entrada do Pium, em frente à Vila Feliz.
Além de Pedro Mendes e Geraldo Carvalho, a banda regueira Zion's Sound também apronta das suas. No mesmo espaço, show de mímica com o italiano Enzo Savone, dança do ventre com Ilza Lídia e exposição de artes plásticas de Regina Casa Forte. As apresentações começam a partir das 22h30. O valor do ingresso é R$ 10 para qualquer signo do zodíaco.
A lembrar: o projeto retomado hoje estreou com o nome de Lua dos Signos, em 2003. Logo em seguida recebeu o nome atual e desde o início marca a cena musical daquelas paragens, também como opção de entretenimento.
"No ano de 2003, na casa de Nelson Rebouças, estávamos ele, eu e Pedro Mendes. Surgiu a ideia de realizarmos um evento de réveillon na passagem 2003/2004. O acontecido nos empolgou e decidimos fazer todos os meses um lual, no qual denominamos de Lua dos Signos. Foi um marco para a comunidade do Pium", lembra Geraldo Carvalho. "Éramos três amigos nesta terra de reis.
Eu e Geraldo tomamos outro rumo, embora sempre partícipes como colaboradores. Nelson seguiu com o projeto por algum tempo. Agora, voltamos os três para mais esta edição", comemora Pedro Mendes. O produtor Nelson Rebouças foi o único dos três mosqueteiros (ou dos três reis magos potiguares) a continuar o projeto. Durou até 2007, quando nasceu o Poticanto: Um Canto 100% Potiguar - um palco dedicado à música autoral potiguar. "Passados três anos e com o Poticanto em férias, cedi ao desejo de ressuscitaraquilo que fazíamos pelo tesão de fazer: o projeto multicultural Uma Lua na Rota do Sol, com Pedro, Geraldo e eu". Pelo projeto já passaram músicos como Romildo Soares, Khrystal, Valéria Oliveira, Galvão Filho, Babal, Terezinha de Jesus, Erick Von Sohsten, Cida Airan, Rejane Luna, Sueldo Soaress, Cleudo Freire, a paraibana Cátia de França, e outros.
Fonte: Folha de Pernambuco - PE
X ENCONTRO DE FOLIA DE REIS
Encontro traz atrações inéditas a Brasilia.
Duas duplas de violeiros, uma com 50 anos de carreira (Lourenço e Lourival) e outra com 20 anos de carreira (Goiano e Paranaense), vão cantar em Brasília pela primeira vez.
A apresentação das duplas será sábado, dia 30, no X Encontro de Folia de Reis. Nas edições anteriores sempre se apresentam para o público brasiliense artistas regionais que nunca ou pouco se apresentaram em Brasília. É o caso de Carreiro e Carreirinho, Inezita Barroso, Dino Franco e Mourai, Pereira da Viola, Irmãs Galvão, Chico Lobo, Liu e Léu, Téo Azevedo, Zico e Zeca, Jackson Antunes, Cacique e Pajé, Pedro Bento e Zé da Estrada e Almir Sáter.
O Encontro receberá, pela primeira vez, o cantador e humorista Saulo Laranjeira e o compositor e cantador parceiro de Almir Sater, Renato Teixeira. O primeiro abre e o segundo fecha a programação do 10º Encontro de Folia de Reis do DF, que terá ainda na programação a participação de mais de 30 grupos de Folia de Reis, cerca de 20 grupos de danças populares de origem interiorana, artesanatos trazidos pelos foliões e dezenas de outros artistas populares que acompanham as folias. A roda de prosa com o tema "Políticas públicas para as Folias de Reis e manifestações agregadas", deve reunir autoridades do Ministério da Cultura, Secretaria de Cultura e da Agricultura do DF, foliões e produtores de cultura popular para ouvir, falar e compartilhar informações. Haverá também oficinas onde se pretende incentivar o uso de praticas como fazer brinquedos, construir instrumentos e dançar.

Veja como foi a edição de 2009

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Espaço Cultural Bagagem
Teatro de Bolso
Apresenta
"A DESCOBERTA DE CABRAL"

Sabado 30/01
Ás 18 hs
Entrada Franca
Quadra 40, Setor Central Gama DF
Informações: 3556-6605
FESTA DE SANTOS REIS
Convite Especial Cia. De Reis Sagrado Nascimento
do Sr : Evaristo Torquato mestre de folia
79 anos de folia catira e tradição cultural
Premiado em 2009 pelo Edital de Culturas Populares o mestre de Folia de Reis Sr. Evaristo Torquato da Silva convida para a sua Festa Tradicional com mais de 62 anos de realização - Folia de Reis Sagrado Nascimento.

Um evento da M&T Produções
- Associação de Cultura e Manifestações Populares
- Caroline de Miranda Borges

Skype: carol_line.mirMSN: carol_line.miranda@hotmail.com
Tels. 019 97420808 - 019 96010149
Rua Equador, 132
Bairro: Fabrício
Dia : 30/01/2010
Uberaba , MG.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

X ENCONTRO DE FOLIA DE REIS
Todos os dias danças populares, comidas típicas e artesanato dias 29, 30 e 31 de janeiro de 2010 Granja do Torto entrada franca
PROGRAMAÇÃO
SEXTA-FEIRA - DIA 29/01/2010
12h – Galpão: Almoço dos Foliões – SHOW: APARICIO RIBEIRO (DF) e músicos foliões (Palco Alternativo)
14h – Oficinas: Danças (Catira, Lundu e Curraleira); Construção de Instrumentos de Folia; Brinquedos, Brincadeiras e Jogos Roceiros.
18h – Galpão: Jantar dos foliões – Seguido do Canto de Agradecimento (Bendito de Mesa)
19h – Representação da Chegada dos Três Reis Magos – Encontro das Bandeiras e apresentação de Folias e Danças Populares
21h – Palco: Abertura Oficial (autoridades políticas e eclesiásticas)
21h30 - Palco: SHOW – ZÉ MULATO E CASSIANO (DF) Lançamento do álbum triplo “Fidelidade a Brasília”
23h – Palco: SHOW – SAULO LARANJEIRA ( Música regional) (MG)


SÁBADO - DIA 30/01/2010
9h – Roda de Prosa: 'Políticas Públicas para as Folias de Reis e Manifestações Agregadas'
9h – Oficinas: Danças (Catira, Lundu e Curraleira); Construção de Instrumentos de Folia; Brinquedos, Brincadeiras e Jogos Roceiros.
9h – Praça do Coreto: Apresentações Livres de Folias e Danças
12h – Galpão: Almoço dos Foliões – SHOW: KLEUTON E KAREN (DF) e músicos foliões (P. ALTER.
14h – Oficinas (continuação)
14h – Palco: Apresentação de Folias e Danças Populares
19h – Galpão: Jantar dos foliões – Seguido do Canto de Agradecimento (Bendito de Mesa)
19h30 – Palco: Apresentação de Folias e Danças Populares
22h – Palco: SHOW – VANDERLEY E VALTECY (DF)
22h40 – Palco: SHOW - LOURENÇO E LOURIVAL (SP)
23h30 - Palco: SHOW - GOIANO E PARANAENSE (SP)

DOMINGO - DIA 31/01/2010
8h – Café da manhã com os foliões com canto de agradecimento
9h – MISSA SERTANEJA: CORAL DA PASTORAL DOS FOLIÕES DE FORMOSA – GO
10h – Oficinas: Danças (Catira, Lundu e Curraleira); Construção de Instrumentos de Folia; Brinquedos, Brincadeiras e Jogos Roceiros.
10h – Palco: Apresentação de Folias e Danças Populares
12h – Galpão: Almoço dos Foliões – SHOW: MACEDO E MARIANO (DF) e músicos foliões
14h – Palco: Apresentação de Folias e Danças Populares
18h – GALVAN E GALVÃOZINHO (GO) - RENATO TEIXEIRA(SP)

ATRAÇÕES DIÁRIAS E VARIEDADES
EXPOSIÇÕES: Instrumentos Musicais Típicos; 10 anos do Encontro; 50 anos de cultura popular em Brasília; Rodas de Prosa (com mestres Reiseiros e agentes e produtores culturais);
DANÇAS TÍPICAS: Catira, Lundu, Curralera, São Gonçalo, Sussia, Tambor,
Presépios; comidas típicas, artesanatos e produtos agroindustriais; Fazenda Modelo e após as modas, arrasta pé com músicos foliões.

LOCAL: PARQUE DE EXPOSIÇÕES DA GRANJA DO TORTO – BRASÍLIA DF
I NFORMAÇÕES: 61-3301 5888 – 3301 8598

Veja como foi a edição de 2009

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Agricultura Urbana
Muitas pessoas conhecem, outras já ouviram falar, mas com certeza nunca viram ou ouviram agricultura urbana auto-suficiente, pois é isso mesmo em Olhos D’água – GO, além da agricultura urbana convencional que é praticada por alguns moradores que ocupam terrenos que os donos ainda não construíram suas casas, e numa espécie de parceria plantam milho mandioca abobora etc. além de produzirem, tornam a cidade mais limpa livrando do mato os terrenos desocupados e em troca melhoram um pouco a alimentação de suas famílias.
Bom mas isso todo mundo já conhece!
Mas Dona Divina e seu Jorge que nasceram e cresceram nesta pequena cidade do interior goiano fez muito mais, em um pequeno conjunto lotes eles produzem uma variedade incrível de produtos retirando deste pequeno espaço, muito do que utilizam em casa e ainda conseguem renda suficiente para manter a família inteira.



















Veja mais!

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Rainha da floresta
Clássico da botânica publicado em 1949 por Frederico Carlos Hoehne, o livro Iconografia de Orchidaceas do Brasil é relançado pelo Instituto de Botânica de São Paulo (Foto: Reprodução de Iconografia de Orchidaceas do Brasil - Laelia crispa)


Em 1949, o naturalista mineiro Frederico Carlos Hoehne (1882-1959), fundador do Jardim Botânico de São Paulo, publicava o livro Iconografia de Orchidaceas do Brasil, que viria a ser um dos maiores clássicos da botânica no país. Mais de seis décadas depois, a obra de 640 páginas acaba de ser relançada pelo Instituto de Botânica de São Paulo (IBt).

De acordo com Fábio de Barros, pesquisador do IBt que atua na Seção de Orquidário do Jardim Botânico, dirigida por ele em 2002 e 2003, a nova edição é praticamente uma reimpressão do original, com o acréscimo de apenas um prefácio. Se o livro não recebeu uma atualização, do ponto de vista taxonômico, por outro lado manteve integralmente seu valor histórico.
“Trata-se de um livro que marcou época. Foi o primeiro livro abrangente sobre o tema a ser de fato publicado no país. A ideia de Hoehne era fazer um apanhado sobre as orquídeas do Brasil, com uma organização sistemática, ilustrando pelo menos uma espécie de cada um dos gêneros. Foi um trabalho de extrema importância”, disse Barros
Segundo Barros, a edição original está fora de catálogo desde o início da década de 1980. Em sebos de São Paulo ou em sites de vendas de objetos usados na internet, a rara obra pode ser adquirida por valores que vão de R$ 900 a R$ 1.700 reais. A nova impressão custa R$ 200 e pode ser adquirida pelo correio, ou diretamente no IBt.
No livro, Hoehne se dirige a colecionadores de orquídeas, explicando em detalhes como identificar, cultivar, colher, embalar e transportar as plantas. Segundo Barros, o botânico era fascinado pelas orquídeas, às quais se referia como “rainhas da floresta”.
“Ele procura traduzir para os orquidófilos – e não necessariamente para especialistas – múltiplos aspectos do conhecimento sobre as orquídeas. Por causa dessa abordagem, o livro se tornou uma referência para orquídeas no Brasil. Hoehne alcançou seu objetivo, que era facilitar o reconhecimento dos gêneros e popularizar as orquídeas”, declarou.
Antes da obra de Hoehne, o botânico João Barbosa Rodrigues (1848-1909) havia concebido uma iconografia das orquídeas, que seria editada em francês, de acordo com Barros. Mas Rodrigues nunca conseguiu publicar a obra, que foi lançada apenas em 1996, por iniciativa de uma editora da Suíça.
O livro de Hoehne, que segundo Barros tem um caráter mais técnico que propriamente científico, tem o diferencial de abordar o tema por vários aspectos. “Ele teve o cuidado de não se limitar à taxonomia vegetal e à identificação e descrição das plantas. Há um capítulo, por exemplo, sobre a distribuição das orquídeas no país. E ele faz isso em um tom interessante, descrevendo as espécies como se estivesse fazendo uma viagem por várias regiões”, disse Barros.
Outra característica especial do livro, segundo Barros, é que Hoehne procura popularizar o uso das orquídeas em esferas que fogem ao convencional. Um dos capítulos discorre sobre o uso das orquídeas em ornamentação. “Mas ele não trata do uso da planta em si como ornamento e sim das aplicações de seus formatos e cores em design de objetos. Ele faz, por exemplo, propostas de azulejos, pisos e enfeites com ornamentação inspirada nos padrões das orquídeas”, explicou. Pioneirismo ambiental
De todos os aspectos inovadores da obra, um chama a atenção pela atualidade: em várias partes do livro, segundo Barros, o autor faz comentários sobre a destruição das matas e sobre a necessidade de preservação ambiental. “Isso não era algo trivial no meio do século 20. Hoehne foi verdadeiramente um pioneiro em relação à preocupação com a conservação do meio ambiente”, disse Barros.
Outra preocupação pioneira de Hoehne, segundo Barros, era a divulgação da ciência para o grande público. Isso fica evidente no livro, em várias referências feitas às excursões que o botânico organizava para atrair o público e transmitir conhecimento sobre as orquídeas. Hoehne também publicou um número imenso de artigos de divulgação em jornais.
“Quando foi convidado pelo governo paulista, em 1928, para implantar o horto botânico que viria a ser o embrião do atual Jardim Botânico, sua primeira iniciativa foi o estabelecimento de uma estrutura para um orquidário. Ele justificava isso dizendo que as orquídeas eram plantas que chamavam a atenção do público e que o orquidário atrairia pessoas para visitação – o que revela uma visão muito moderna”, declarou Barros.
De acordo com Barros, a Iconografia de Orchidaceas do Brasil é uma expansão do Álbum das Orchidaceas Brasileiras e o Orchidário do Estado de São Paulo, lançado em 1930, na ocasião da fundação oficial do orquidário paulistano, para ser distribuído entre os visitantes.
“Em grande parte, esses dois livros são responsáveis pela popularização das orquídeas. Hoje, só a cidade de São Paulo tem quatro associações de orquidófilos diferentes. Desenvolveu-se uma cultura em torno da planta, que é bastante atraente, pois a maioria das espécies cultivadas é muito exótica”, afirmou.
Nascido em Juiz de Fora (MG) em 1882, Hoehne foi autodidata e começou a trabalhar no Rio de Janeiro como jardineiro. Profundamente dedicado a estudos de botânica, atuou no Museu Nacional, na capital fluminense, e na Comissão Rondon, com a qual excursionou pelo Brasil, responsabilizando-se pelas coleções de plantas.
Em 1917, Hoehne foi convidado pelo diretor do Instituto Butantan, Vital Brazil (1865-1950), para criar um horto botânico para estudos de plantas medicinais em São Paulo, onde se instalou. Em 1928 responsabilizou-se pela implantação de um novo horto botânico na Zona Sul da capital paulista. Ali nasceu o Jardim Botânico de São Paulo, fruto de um projeto de sua autoria.
Entre 1938 e 1941, Hoehne foi diretor-superintendente do Departamento de Botânica do Estado de São Paulo. Em 1942 , tornou-se o primeiro diretor do Instituto de Botânica, cargo que manteve até 1952.
Em sua trajetória, Hoehne publicou cerca de 117 trabalhos científicos, 478 artigos em jornais e revistas e proferiu inúmeras palestras, conferências e cursos nas diversas áreas de botânica, além de editar quatro livros infantis.


Iconografia de Orchidaceas do BrasilAutor: Frederico Carlos Hoehne Lançamento: 2010 Preço: R$ 200Páginas: 640 Mais informações: (11) 5073-6300 – Ramal 313.
Fonte: Agência FAPESP

Por Fábio de Castro
Veja mais!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Lenda do Pirajurú (Rui de carvalho)
EM DEFESA DOS POVOS DA FLORESTA

Alerta sobre o impacto das mudanças climáticas no Planeta, no Brasil e em especial na Floresta Amazônica. Cientistas prevêem que o aquecimento global poderá elevar a temperatura na Amazônia em até 12 graus Celsius ainda neste século. Com o aumento da temperatura haverá menos chuvas e mais secas, diminuindo a biodiversidade e tornando impossível a vida da população da Amazônia, principalmente dos povos que vivem na floresta. Esse impacto já está sendo sentido por nossas comunidades, onde nossas populações indígenas já não podem ser guiadas pelo calendário lunar, porque o clima já alterou os fenômenos da natureza na nossa região.
Mary Allegretti (Antropóloga)



Cd Enfieira
Em 2005 as músicas “Enfieira” e “Lenda do Pirajurú” do primeiro Lp, fazem parte do musical ECO SHOW – O CANTO DAS CRIATURAS do coreógrafo Ciro Barcellos que estréia no teatro Villa Lobos no Rio de Janeiro.
Veja mais e ouça!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

21 de janeiro, Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa
Marchas e debates comemoram dia da intolerância religiosa em todo o Brasil
Apesar da Constituição Federal garantir a liberdade religiosa a todo cidadão brasileiro, atos de intolerância religiosa são constantes no Brasil, sejam em ataques a terreiros de religiões de matriz africana, em agressões físicas de seus adeptos ou ainda na destruição de símbolos que representem suas tradições. A proteção do Estado às manifestações das culturas populares afroreligiosas, dos índios e de outros grupos que fazem parte do processo de civilização do Brasil está longe de ser uma realidade.
Nesta quinta-feira, 21, Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa - grupos afroreligiosos em todo o país se unem pelo fim da discriminação e da intolerância religiosa por parte de outros grupos religiosos ou não e para dar visibilidade aos saberes e tradições dos espaços sagrados e ancestrais da cultura afrobrasileira.
Diversos casos de intolerância religiosa motivaram a criação da Lei 11.635, que estabelece a data assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no dia 27 de dezembro de 2007.
Neste dia, vivenciadores e simpatizantes de religiões de matriz africana de todo o Brasil, artistas, intelectuais e representantes de várias crenças saem às ruas em marchas, participam de fóruns, debates, programações culturais, entre outras, como forma de enfrentamento ao preconceito e de estimular a sociedade a valorizar a diversidade religiosa.
"A essência das religiões de matriz africana é o culto à natureza, seus elementos, sua sabedoria. Cada orixá representa um elemento da natureza - fogo, água, terra e ar. Infelizmente, por falta de conhecimento de muitas pessoas há a intolerância religiosa. O sincretismo religioso, que teve que ser adotado pelos africanos que não podiam manifestar sua fé, fez uma associação errada dos orixás, como por exemplo associar Exu ao Diabo e não existe o culto ao diabo nas religiões de matriz africana", explica o Diretor de Proteção ao Patrimônio Afrobrasileiro, Maurício Reis.
Intolerância em Brasília
Em 2007, a intolerância religiosa destruiu as esculturas dos orixás afrobrasileiros que adornavam a Praça dos Orixás, na Prainha, em Brasília. Todas as 16 estátuas inauguradas em 2000 foram depredadas. Cinco foram arrancadas dos pedestais de concreto ­- Nanã, Xangô, Oxalá, Oxóssi e Iemanjá, esta última foi decapitada e incendiada. As de Exu, Ibeiji e Iansã) foram entortadas e tombadas.
A Praça dos Orixás, com recursos da Palmares, foi reinaugurada no 31 de dezembro último, poucas horas antes da tradicional festa de réveillon realizada no local, com as dezesseis novas esculturas representando deuses africanos. Completamente restauradas, as obras são de autoria do escultor baiano Tatti Moreno.
Um pouco de história
Desde a colonização quando os negros foram trazidos da África como mão-de-obra escrava para o Brasil, que seus valores, cultura, religião, suas heranças africanas foram 'arrancados'. A orientação oficial da igreja que justificava a escravidão naquela época era de que os negros não tinham alma e nem religião, portanto, podiam ser desrespeitados e escravizados. Assim, o negro teve que abrir mão de tudo que acreditava para enfrentar uma realidade de perseguição.
A primeira reação dos negros contra a intolerância religiosa foi uma estratégia de resistência conhecida como sincretismo religioso, ou seja, o africano escondeu a prática de seus valores religiosos por meio da prática da religião do seu dominador, só assim podia cultuar seus orixás, os comparando aos santos cultuados pelos portugueses. Surgindo aí o candomblé e a umbanda no Brasil como forma de resistência dos cultos afros, que continuaram sendo historicamente perseguidos e só obtiveram direitos adquiridos, assim como outras manifestações religiosas no Brasil, a partir da Constituição de 1988.
Fonte: Fundação Palmares

sábado, 16 de janeiro de 2010

LEVI RAMIRO VIOLA BRASILEIRA FEITA COM CABAÇA

Para quem gosta de musica de raiz e especialmente da viola brasileira trago um pouco do belíssimo trabalho deste artesão e violeiro que me foi apresentado pelo amigo Edson Luis Gomes, espero que gostem. Aguardem em breve teremos muito mais Levi Ramiro para acariciar nossos ouvidos.
Levi Ramiro
Natural de Uru, pequena cidade do interior Paulista, hoje residente em Pirajuí, o violeiro e artesão tem sua trajetória marcada inicialmente pelo violão que o acompanhou nas primeiras composições e nos primeiros festivais. A partir de 1995, adotou a viola como principal instrumento, absorvendo seu universo cultural que veio de encontro com suas raízes, motivo pelo qual ampliou sua produção musical, tanto na arte de tocar como na de fabricar o instrumento.
Com base nos valores da cultura caipira e misturando elementos que formam nossa Música Brasileira, Levi Ramiro celebra em suas composições, a poesia e a simplicidade da vida interiorana.


VIOLA BRASILEIRA FEITA COM CABAÇA
Cabaça, fruta de uma planta parecida com a abóbora, conhecida também como porunga.
Depois de seca, o fruto serve como caixa de ressonância para a fabricação artesanal da Viola Brasileira.


Veja mais!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Muito além dos prazeres de um dia de sol e praia
Hospitalidade, gastronomia e as surpresas do São Francisco fazem de Alagoas um destino certo nesse verão
Quem for a Alagoas não pode perder a chance de conhecer os encantos que vão além das belas praias. Um dos principais convites são as aventuras que rodeiam o Rio São Francisco, o “Velho Chico”. Por trilhas, passeios e escaladas, elas levam visitantes de todas as idades a paisagens deslumbrantes. A cultura popular, o artesanato e os deliciosos pratos locais também são a garantia de muitas histórias pra contar na volta pra casa.
A capital Maceió é conhecida por ter uma das orlas mais bonitas do Nordeste. Impossível não relaxar e esquecer das preocupações do dia-a-dia nas praias de Pajuçara, Ponta Verde ou Ipioca. À noite, jazz, forró, MPB ou carnaval fora de época dão o tom nas praias mais badaladas. Uma delas é a do Francês, já no município de Marechal Deodoro, a 18 km de Maceió. Lá, é possível escolher um barco, banana-boat ou mesmo a prancha de surf para terminar o dia de sol em grande estilo.
Em Ipioca, prepare a máquina fotográfica e pegue carona em uma jangada pela Costa dos Corais, que conta com a segunda maior barreira de corais do mundo. De lá, a parada é a Barra de Santo Antônio, que tem na Ilha de Crôa um de seus postais mais famosos. São grandes bancos de areia que formam uma belíssima paisagem e permitem a prática do ecoturismo.
O artesanato da região é uma das principais atrações. Os povoados utilizam materiais como casca de coco, palha de coqueiro e fibra de bananeira e sempre ganham a simpatia dos turistas. Não deixe de visitar os municípios de São Miguel dos Milagres, Porto das Pedras e Japaratinga. Aqui, o charmoso cenário é diferenciado: hospitalidade e gastronomia tornam a região conhecida nacionalmente.
Em Maragogi, a palavra de ordem é mergulhar. As incríveis piscinas naturais são o reduto perfeito para essa prática, e também para os fãs de trilhas ecológicas, que encontrarão pequenas cachoeiras de água pura e cristalina dentro da Mata Atlântica. No litoral, são 22 km onde cada praia tem sua peculiaridade. A de São de Bento, Antunes e a de Dourado, por exemplo, são bastante procuradas para descanso e tranqüilidade. Já a praia de Maragogi é repleta de bares, restaurantes e pequenas lojas.
Do extremo sul de Alagoas, vem um dos capítulos mais surpreendentes da viagem. Da foz ao cânion, a região do Rio São Francisco reserva momentos imperdíveis. Escorregar pelas dunas brancas, morada de tartarugas marinhas e aves migratórias, escalar os paredões, encarar vôos panorâmicos e mergulhar nas águas do Velho Chico são um prazer incomparável. A viagem acontece em uma área de preservação ambiental e passa por municípios históricos, com diversas igrejas, museus e atrações turísticas.
Um deles é Piranhas, entre as margens do rio e a caatinga. O local foi o palco da mais famosa história de nosso sertão. Foi lá que Lampião, o rei do cangaço, viveu e terminou sua trajetória. A religiosidade está presente em todo o município, que oferece aos visitantes um grande acervo de objetos daquela época e também uma das mais belas vistas do São Francisco.


Fonte: Minísterio do Turismo

Veja mais!

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

ESPAÇO CULTURAL BAGAGEM
RETOMA AS ATIVIDADES NO TEATRO DE BOLSO

As apresentações acontecerão aos sábados sempre às 18hs no Teatro de Bolso, e a programação se estende até Setembro 2010.
E neste sábado 16/01 a apresentação fica por conta do grupo Bagagem com o espetáculo Circo Mulambo.

O CIRCO MULAMBO O circo chegou?
Bom, chegar chegou, mas não se sabe se poderá ficar. É o que conta o espetáculo Circo Mulambo. Nele, um circo chega à cidade carregado por uma carroça. No comando do veículo, dois palhaços, o Bolacha e o Rocambole, atuam no palco e tentam montar a lona circense. Nesse meio tempo, um fiscal rouba a cena e impede que o espetáculo aconteça. Será que eles vão ter que armar o circo e em outra cidade?

Classificação Livre
Horário: 18:00 hs
Elenco: Biró
Eudes Leão
Direção: Biró
Sonoplastia: Cristiano Alves
ENTRADA FRANCA
ESPAÇO CULTURAL BAGAGEM
QUADRA 40 LOTE 16 SETOR CENTRAL GAMA
INFORMAÇÕES: 3556 6605

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Índios fecham sede da Funai em protesto contra extinção de postos do órgão
Índios de varias etnias fazem protesto na sede da Funai, pedindo a volta dos postos indigenas que foram fechados em vários estados Brasília - Cerca de 500 índios fecharam hoje (12) a sede da Fundação Nacional do Índio (Funai) protestando contra o Decreto 7.056, editado em 28 de dezembro do ano passado, que, segundo eles, extingue administrações e postos do órgão.


“Esse decreto, que havia sido anunciado como uma medida de reestruturação da Funai, nada mais significa do que a extinção de 24 das cerca de 50 administrações regionais [do órgão indigenista] e de todos os postos indígenas no país”, afirmou o cacique geral Caboquinho Potiguara, indicado porta-voz das cerca de 20 etnias que participam do protesto.
O decreto, em vigor desde o dia 4 de janeiro, tem previsão de ser sancionado no dia 21 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Fomos surpreendidos pelo teor do decreto, que extingue inclusive administrações regionais tidas como de referência até mesmo pelo presidente da Funai [Márcio Meira]”, disse o cacique.
Entre as administrações extintas, Potiguara destacou as da Paraíba e de Pernambuco. “A pedido do Márcio Meira, feito durante as reuniões bimestrais do CNPI [Conselho Nacional de Política Indigenista], fizemos inclusive palestras para apresentar a experiência dessas administrações a outras unidades do país. Esse decreto representa uma traição dele contra os povos indígenas”, afirmou.
Segundo Potiguara, Meira nunca falou sobre o decreto durante as reuniões do CNPI. “Por isso, reivindicamos também a sua destituição do cargo. A coisa foi feita com má intenção e, para piorar, presidente e diretores [da Funai] pediram férias no dia seguinte à edição do decreto”, afirmou.
De acordo com o cacique, o decreto prevê a criação de coordenações técnicas no lugar das administrações. Ele disse que, nessas coordenações, dois ou três funcionários teriam de dar conta de toda a demanda que era administrada por dezenas de funcionários. Na administração de Pernambuco, por exemplo, eram 160 servidores e, na da Paraíba, 40, lembrou Potiguara.
Até o início da tarde, conforme cálculo do cacique, 500 índios participavam da manifestação e mais mil estavam a caminho. “Não sairemos daqui enquanto não falarmos com o presidente Lula ou com o ministro [da Justiça] Tarso Genro”,disse Potiguara, que se recusa a negociar com qualquer outro representante do governo.
Ele informou que um assessor da Presidência da República, Paulo Maldo, ficou de marcar um encontro dos índios com o presidente Lula, uma vez que o ministro da Justiça está de férias e não se encontra em Brasília. Segundo o indígena, o assessor disse que não estava a par do teor do decreto.
“Por causa desse decreto, todos os projetos que vinham sendo tocados pelas 24 administrações regionais extintas foram paralisados. E, entre eles, os produtivos, os fundiários, e os desenvolvidos pelos grupos de trabalho que fazem levantamentos técnicos e antropológicos”, lamentou o cacique.
Representantes de cerca de 20 etnias participam da manifestação em Brasília. Além dos Potiguara, que levaram 180 índios, há também representantes das etnias Tabajara, Xucurú, Fulni-ô, Atikum, Carajás, Xavantes, Kaiapó, Cambiwá e Terena, entre outras.

Fonte: Agência Brasil
Pedro Peduzzi Repórter da
Foto: Roosewelt Pinheiro/ABr Brasília
Veja mais!

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Ano Internacional da Biodiversidade vai discutir extinção de espécies

Apesar de 2010 ser o Ano Internacional da Biodiversidade, não há muito o que comemorar. Pesquisadores estimam que 150 espécies sejam extintas todos os dias no mundo. Segundo o secretário da Convenção sobre a Diversidade Biológica da ONU, Oliver Hillel, o lançamento das atividades pelas Nações Unidas ontem (10), em Berlim, na Alemanha, e no Brasil, na última quinta-feira (6), em Curitiba, servem para colocar o tema no foco das discussões.
Ele reforça que, junto com a questão das mudanças climáticas, a perda da biodiversidade é o maior desafio para a humanidade atualmente. Por isso, durante este ano, serão promovidas atividades em todo o mundo para conscientizar a população.
“Estamos perdendo essa biodiversidade a uma taxa mil vezes maior do que a taxa normal na história da terra. Então, de acordo com as previsões dos cientistas, até 2030 poderemos estar com 75% das espécies animais e vegetais ameaçadas de extinção. Hoje esse número é de 36%.”
Hillel faz um alerta sobre a previsão de que 150 espécies sejam extintas todos os dias no mundo. E lembra que, dos objetivos traçados por vários países em 2002, durante lançamento da Convenção da Biodiversidade, poucos foram cumpridos.
“Um dos que foi cumprido e é bom, porque nos encoraja, é a proteção legal em unidades de conservação de 10% dos ecossistemas da terra. O Brasil, por exemplo, é um líder. Estamos hoje com 16% da nossa terra em todas as categorias de proteção, nas três esferas do governo. O mundo inteiro, em termos de ambiente terrestre, está por volta de 12%.”
O Diretor do Departamento de Conservação da Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, Bráulio Dias, afirma que, no Brasil, um calendário de eventos deverá ser divulgado esta semana pelo ministério para debater o tema. “É importante neste ano ampliar a discussão com a sociedade pra refletir sobre a importância da biodiversidade.”

Fonte:Agência Brasil
Repórter: Juliana Maya

Veja mais!
O negro, a flor e o rosário
Musical mineiro apresenta seis contos da cultura afrobrasileira
A história de vitórias e resistência do negro vindo da África para o Brasil com suas crenças e costumes é o tema central do musical 'O Negro, a Flor e o Rosário', que está sendo apresentado no espaço cultural Quik de Belo Horizonte (MG) até o dia 24 de janeiro. O espetáculo faz parte da 36ª campanha de popularização do teatro e dança.

Com objetivo de divertir e, ao mesmo tempo, despertar crianças e jovens para a cultura afrobrasileira, o artista mineiro Maurício Tizumba criou o musical composto por seis contos da tradição negra no país: Orixás, Zumbi dos Palmares, Dandara, Saci Pererê, Cosme e Damião e Nossa Senhora do Rosário. Os seis contos de 'O Negro, a Flor e o Rosário' induzem a platéia a uma lúdica viagem pela cultura africana. Em Orixás, os artistas falam de divindades cultuadas no candomblé e vivenciadas na cultura brasileira. Zumbi dos Palmares mostra o símbolo de igualdade, liberdade e resistência dos negros, e Dandara, a mulher guerreira, que lutou em defesa do Quilombo de Palmares. "São histórias de heróis e personagens negros até agora praticamente desconhecidas", diz Tizumba. O cenário do artista plástico Eduardo Félix, que também assina o figurino, traz uma grande surpresa: os bonecos de Zumbi e de Dandara, em tamanho real, tocando tambor. Saci Pererê com suas brincadeiras e travessuras, e os santos milagrosos Cosme e Damião, adeptos de todo tipo de guloseima, tomam conta do universo infantil. Nossa Senhora do Rosário, mãe dos pretos congadeiros e candombeiros, protetora daqueles que veneram o seu rosário, também está no roteiro. A trilha sonora inclui músicas compostas por Maurício Tizumba, além de canções extraídas do congado e candomblé.
O espetáculo estreou em novembro de 2008, na semana da consciência negra, com a direção de Paula Manata, do grupo teatral Armatrux, e traz no elenco nove atrizes negras: Júlia Dias, Elisa de Sena, Tásia de Paula, Josi Lopes, Viviane Moreira, Eneida Carvalho, Simone Meirelles, Fernanda Patuá e Ana Luisa Coelho.

Serviço
Espetáculo: O Negro, a Flor e o Rosário
Horário: 20h Preço: R$4 (inteira) R$2 (meia entrada)
Local: Espaço Cultural Quik - Belo Horizonte/MG Mais informações no tel.: (31) 3581-8673 Assessoria de Comunicação da FCP com Divulgação Tizumba

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Verão e Boa Forma com Saúde
Artigo na Revista Classic Life de Janeiro 2010 com a nutricionista Ana Paula Souza

É tempo de calor e com as altas temperaturas, todos querem alcançar a boa forma. Na busca de um corpo saudável, intensifica-se a prática da atividade física, aumenta-se o consumo de frutas e saladas ricas em fibras e o corpo pede água. A nutrição direcionada à estética, vem dar uma mãozinha para que se consiga reduzir gorduras localizadas, o peso, e ainda proporcionar melhorara no humor, no aspecto da pele, cabelos e a da sempre presente celulite. Tudo isso através de uma alimentação equilibrada, atividade física regular , podendo também ter como aliada à fitoterapia, que tem um grande impacto no alcance desses objetivos.Quando falamos em equilíbrio na alimentação, não podemos esquecer que independente dos objetivos de cada pessoa, cada um é único e tem necessidades diferentes. Embora tenhamos necessidades singulares, a saúde geral de um indivíduo, diz respeito não apenas ao que ele deseja para si, como, por exemplo ,a ausência de doenças, mas o que chamamos de saúde positiva. Esta saúde positiva diz respeito ao bem estar físico, mental e a uma nutrição celular adequada que se refletirá em nosso corpo quando houver um equilíbrio constante.Vislumbrar destes benefícios, é tão simples como consumir um arroz e feijão. Isso mesmo! Arroz , feijão, saladas, frutas é priorizar uma alimentação com alimentos mais naturais, e que nos trará saúde e bem estar.Você que tem celulite, gordurinhas localizadas, costuma estar sempre estressada, já parou para pensar a como é a sua alimentação diária? Quando foi a ultima vez que consumiu arroz e feijão em vez de massas? Acredita que consumir apenas carnes e saladas é o mais saudável? O consumo de refrigerantes em vez de sucos é só nos fins de semana? E as frituras, são muito freqüentes na sua semana assim como comidas prontas? Será que a sua semana não é fim de semana diário com alimentos ricos em molhos, pizza, doces, industrializados que deveriam estar presentes só aos Sábados e Domingos? Se as suas respostas forem menos assertivas, a sua saúde pode estar negativa, mas a boa notícia é que isso pode mudar.Agora no verão é uma boa época para melhorar os hábitos alimentares, pois seu apetite estará menor e a sua disposição maior. Vamos tentar então? Veja o que bons hábitos podem fazer por você:Os bons hábitos alimentares equilibram o seu corpo te deixando mais saudável e disposto, evitando doenças e gorduras indesejadas, te deixando mais feliz. Consumir alimentos mais naturais , tem uma função não só estética. A estética é apenas um reflexo dos processos que ocorrem dentro de você. Os nutrientes contidos nos alimentos naturais (ex: o cálcio do brócolis), tem a mesma freqüência da vibração das nossas células e age em sinergismo com o alimento, sendo inteiramente utilizados pelo organismo, diferentemente de um alimento não natural que tem aproveitamento abaixo de 60% por ter uma freqüência de vibração diferente das células. Por isso, é importante que haja um maior consumo de alimentos naturais, e estar emocionalmente bem para que não haja mudança na freqüência de vibração das células. Estes elementos em equilíbrio efetivam os processos bioquímicos no nosso corpo promovendo saúde positiva.A nutrição celular ideal, deve ser ainda, regada a muita água, especialmente nesses dias de clima quente. Quando suamos demais, perdemos além de água, minerais como potássio, zinco e vitaminas hidrossolúveis como a C e do complexo B. Para a reposição desses nutrientes e proporcionar vitalidade aos nossos órgãos e tecidos, devemos incluir em nossa dieta alimentos como: grãos integrais, ostras, carnes (ricos em zinco e ferro), batata, tomate e banana (ricos em potássio), cereais integrais, legumes, carnes vermelhas e brancas(ricos em complexo B), frutas cítricas e vegetais verde-escuros (ricos em vitaminas A,C e cálcio). É importante também, introduzir óleos vegetais como o azeite de oliva, óleo de linhaça que são antiinflamatórios e auxiliam na redução da celulite e podem ser utilizados no lugar de margarinas em pães ou nas saladas, juntamente com gergelim torrado que além de ser é rico em cálcio é saboroso e auxilia no controle do peso . Os sucos também contribuem neste processo. O de abacaxi com ervas (hortelã), é diurético e reduz a sensação de inchaço; já o mamão por ter grande quantidade de betacaroteno, tem função de renovação celular e acentua o bronzeado da pele . outro ítem que pode ser evidenciado é o de se acrescentar canela em pó à fruta que potencializa a queima de gordura, pois a canela tem um efeito termogênico. E também potencializa a ação da insulina nas células, trazendo benefícios aos diabéticos.Além dos alimentos naturais, outros aliados à nossa saúde física e mental , são as ervas, que auxiliam na redução de sintomas de mal estar como dores de cabeça, estômago, flatulência, inchaço corporal, melhoram o trânsito intestinal , reduzem gordura corporal, celulite, colesterol , a ansiedade, depressão e são calmantes e digestivos, entre outros benefícios. As ervas e ou alimentos, podem ser utilizados conforme a sua indicação, visto que, deve-se ter alguns cuidados na sua utilização. A canela por exemplo, não deve ser consumida por gestantes, o gergelim e outras sementes não devem ser consumido por pessoas que tenham diverticulite. Procure sempre a orientação de um profissional nutricionista.

Algumas dicas para melhorar os hábitos alimentares:
Quando for almoçar fora de casa, prefira restaurante self-service, pois terá maior variedade de escolhas de saladas e alimentos grelhados e assados;
Não deixe de consumir o tradicional Arroz e Feijão de Segunda à Sexta-feira, deixando para o fim de semana os pratos mais calóricos;
Procure consumir alimentos a cada 3horas para auxiliar no aumento do seu metabolismo e promoção de vitaminas e minerais, tendo como meta o lanche da manhã das 10:00 sempre uma fruta;
Se você não é fã de saladas, tente picá-los miudinhos e consumi-los junto com outros alimentos da sua preferência para mascarar o sabor, com o tempo se acostuma com os sabores e estes passam a fazer parte do seu cardápio diário;
Nesta estação mais quente, procure exercitar-se ao ar livre no inicio da manhã ou fim de tarde conforme o seu bio-ritmo ,pelo menos por 3 vezes na semana;
Evite consumir mais de 1 copo de líquido durante as refeições para não aumentar o volume e assim, o tamanho do estômago;
Para reduzir gorduras da região abdominal evite o excesso de doces, bebidas alcoólicas e utilize fitoterápicos para redução de gorduras localizada, fale com a sua nutricionista.

Nutricionista : Ana Paula de Souza CRN 2556
Professora de Educadora Física UEM
Especialista em Fisiologia Humana UEM
Especializando em Nutrição Clínica Funcional NECPAR
Especializando em Fitoterapia IBRACIN
Ângela Madrilis
Terra, água, ar e fogo. Até dominar a alquimia dos elementos que transforma a cerâmica em peças reluzentes e coloridas.













Veja mais...

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Água de Coco Férias de verão mar, sol, e calor, nada melhor que água-de-coco, para repor as reservas hídricas do nosso corpo, veja outros benefícios à saúde que este líquido pode proporcionar.
Água de coco um isotônico natural, por ser uma rica fonte de minerais como sódio e potássio, além de ser um produto praticamente livre de contaminações e ter um baixo teor calórico.
É facilmente absorvida pelo organismo, favorece a rápida hidratação e proporciona a recuperação desses minerais eliminados pela transpiração, além de repor as perdas hídricas.
A água de coco, contem poucas calorias, algo entorno de 20 cal/100 ml, é composto por 95,5% de água, 4% de carboidratos, 0,1% de gorduras além de aminoácidos, sais minerais e vitaminas.
O potássio e sódio, e sais minerais é fonte de cálcio, magnésio, manganês, ferro, zinco e cobre.
Encontramos vitaminas hidrossolúveis como as do Complexo B além ser uma ótima fonte de vitamina C, no fruto verde.
Estudos recentes comprovam que a água de coco faz a reposição de eletrólitos. É ótima em casos de diarréias crônicas, na reidratação, contem grande quantidade de potássio (mineral mais abundante no fruto) e glicose.
Para as atividades físicas, uma boa opção é a água de coco, que repõe após o exercício físico!
pode ser consumida em grandes quantidades.
A água de coco, em alguns casos como diabetes, hipertensão arterial e doença renal, seu consumo deve ser moderado, devido ao seu alto teor de sódio e potássio.
A água de coco faz bem para saúde, seja na praia ou no dia a dia!


O poder dos sucos especiais, formulados pela Dr. Ana Paula, experimente! Suco energético, Suco para digestão ,Suco para estresse, Suco para Beleza da Pele ,Suco Anti-Envelhecimento e Suco para queimar calorias

Lixo eletrônico

Loading...

Área de Preservação Ideológica!!!

Bem vindos a Área de Preservação Ideológica!
http://www.sitecurupira.com.br/